Tamanho do texto

Ministro do STF defendeu a atualização da Lei de Abuso de Autoridade e afirmou que o objetivo não é criminalizar a atividade de juízes e promotores

Gilmar Mendes e Sérgio Moro participam de debate sobre  o Projeto de Lei que define os crimes de abuso de autoridade
Geraldo Magela/Agência Senado - 1º.12.16
Gilmar Mendes e Sérgio Moro participam de debate sobre o Projeto de Lei que define os crimes de abuso de autoridade

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, defendeu nesta quinta-feira (1°) a atualização da Lei de Abuso de Autoridade (Lei 4.898/1965) ao participar de discussão sobre o tema no plenário do Senado . Mendes disse que o projeto em debate na Casa, que altera a lei, precisa ser aprimorado e que o objetivo não é criminalizar a atividade de juízes e promotores.

Além de Gilmar Mendes , o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, e o juiz federal titular da 10ª Vara Federal Criminal de São Paulo, Sílvio Luís Ferreira da Rocha, participaram da discussão. O Projeto de Lei nº 280/2016, que atualiza a lei, é de autoria do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

“Estou absolutamente convencido da necessidade dessa lei. E quanto mais operações [de investigação] nós tivermos, mais nós necessitamos de limites”, disse. “O propósito, obviamente, não é criminalizar a atividade do juiz, do promotor, do integrante de CPI no âmbito do Congresso Nacional”, completou Mendes.

O ministro do STF rebateu a declaração de Sérgio Moro de que esse não é o momento adequado para fazer modificações na Lei de Abuso de Autoridade. Moro falou antes de Mendes e disse que alterar a lei agora, durante investigações importantes em curso, como a Lava Jato, pode ser interpretado pela sociedade como uma forma de obstruir esses trabalhos.

LEIA MAIS: “Estou estupefato”, diz Janot sobre votação de pacote anticorrupção na Câmara

“Não compartilho da ideia de que este não é o momento para aprovar a lei. Qual seria o momento? Qual seria o momento adequado para discutir esse tema de um projeto que já tramita no Congresso há mais de sete anos? Como se fazer esse tipo de escolha do momento?”, questionou.

“A Lava Jato não precisa de licença especial para fazer suas investigações. Os instrumentos que aí estão são mais do que suficientes, como qualquer outra operação”, completou o ministro.

O juiz federal, Sílvio Luís Ferreira da Rocha, disse que a discussão do projeto é oportuna e relevante do ponto de vista da defesa dos direitos fundamentais no País. Rocha também defendeu aperfeiçoamentos no texto e apresentou sugestões. “Independentemente da motivação que possa existir por trás desse projeto, eu diria que o considero muito importante exatamente para consolidar um sistema adequado de proteção aos direitos fundamentais contra o exercício abusivo do poder”, disse.

Projeto de Lei

O presidente do Senado, Renan Calheiros, apresentou o projeto por considerar que a legislação sobre abuso de autoridade vigente está defasada e, por isso, precisa ser aprimorada. A expectativa é votar a matéria no plenário do Senado ainda este ano.

LEIA MAIS:  Entenda o que foi aprovado no texto final do projeto anticorrupção na Câmara

O texto, defendido por Gilmar Mendes, prevê que servidores públicos e membros do Judiciário e do Ministério Público possam ser punidos, por exemplo, caso sejam determinadas prisões “fora das hipóteses legais", como ao submeter presos ao uso de algemas quando não há resistência à prisão, e fazer escutas sem autorização judicial, atingindo “terceiros não incluídos no processo judicial ou inquérito".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.