Tamanho do texto

Embora o assunto da entrevista não tenha sido revelado, há suspeitas de que o tema seja a votação do projeto anticorrupção, que será na próxima terça

Presidente Michel Temer é entrevistado pelo programa Roda Viva
Beto Barata/ PR
Presidente Michel Temer é entrevistado pelo programa Roda Viva

O presidente da república Michel Temer (PMDB) e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), convocaram uma entrevista coletiva para as 12h deste domingo (27). Segundo o Globo News , embora o tema da entrevista não tenha sido revelado, a conversa acontece em um momento em que o projeto anticorrupção está em foco nas ações do governo e na opinião pública, causando suspeitas de que esse seja o assunto a ser abordado.

LEIA TAMBÉM:  Mujica e Lula cancelam presença em ato na Avenida Paulista

Na noite deste sábado, (26), em reunião com Temer, no Palácio do Jaburu, Rodrigo Maia disse que o projeto anticorrupção deve ser votado pelo plenário da Casa na próxima terça-feira (29), sem a anistia a crimes eleitorais como o caixa dois.

Na última quinta-feira (24), o plenário aprovou, em votação simbólica, a urgência para votar o texto da comissão especial que analisou as propostas anticorrupção enviadas pelo Ministério Público Federal ao Congresso.

Contudo, com o receio de que uma anistia ao caixa dois fosse votada, alguns partidos apresentaram requerimento para votação nominal e a tramitação da proposta foi suspensa.

Segundo Maia, está havendo “uma confusão legítima” na sociedade acerca da possibilidade de anistia ao caixa dois e outros crimes eleitorais e isso só será esclarecido quando a Câmara encerrar definitivamente a votação do pacote anticorrupção.

VEJA AINDA:  Renan minimiza crise política gerada após a saída do ministro Geddel Vieira Lima

“[Vamos votar] com a clareza que nós temos. Estamos passando à sociedade que em nenhum momento se discutiu anistia. Um dos pontos é a tipificação do caixa dois. Isso vai ficar claro e a sociedade vai entender que nunca houve, do ponto de vista majoritário, nenhum encaminhamento para anistiar crimes [eleitorais]. Porque, quando se trata de anistia, você está tratando de anistiar corrupção ativa, passiva, peculato e isso nunca entrou nas nossas discussões. O que discutimos sempre foi o texto de tipificação do caixa dois [apresentado pelo MPF]”, disse o presidente da Câmara.

Presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia e Renan Calheiros
Wilson Dias/Agência Brasil
Presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia e Renan Calheiros

De acordo com ele, o texto de uma emenda que anistiava vários crimes eleitorais – o documento circulou na Câmara e nas redes socais ao longo da semana - nunca foi debatido pela direção da Casa.

“Vamos organizar a votação das dez medidas para que esse assunto tenha um fim com a clareza de que ninguém vai votar nenhum tipo de anistia e que a votação vai abordar aspectos que tratam das dez medidas que foram aprovadas na comissão especial e precisam ser votadas pelo plenário”, acrescentou.

Articulação política

Convocado por Temer para uma reunião um dia depois da exoneração do ministro da Secretaria de governo Geddel Vieira Lima, Maia minimizou a saída do peemedebista da articulação política do governo . Para ele, a queda de Geddel não vai prejudicar a votação de propostas de interesse do governo na Câmara.

“O ex-ministro Geddel deixou a articulação política bem organizada. Tenho certeza de que vamos ter um belo resultado no Senado e votações na Câmara”, disse Rodrigo Maia.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.