Tamanho do texto

Procurador eleitoral contesta decisão de ministra do TSE que determinou prisão domiciliar do ex-governador, preso por suspeita de compra de votos

Ex governador do Rio, Anthony Garotinho foi preso no dia 16 de novembro sob acusação de compra de votos
Inácio Teixeira/Coperphoto - 30.9.14
Ex governador do Rio, Anthony Garotinho foi preso no dia 16 de novembro sob acusação de compra de votos

O vice-procurador-geral eleitoral do Rio de Janeiro, Nicolao Dino, pediu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a revogação da prisão domiciliar do ex-governador Anthony Garotinho e seu retorno para o sistema penitenciário.

Anthony Garotinho , suspeito do uso de um programa social da prefeitura de Campos dos Goytacazes para a compra de votos, está preso em sua própria casa  desde a última terça-feira (22), quando recebeu alta do Hospital Quinta D'Or.

O ex-governador do estado foi preso por decisão da 100ª Zona Eleitoral de Campos , no último dia 16, mas passou mal e, no mesmo dia, foi internado no Hospital Municipal Souza Aguiar, na região central do Rio de Janeiro. No dia seguinte, ele foi encaminhado para o hospital penal do Complexo Penitenciário de Bangu.

No dia 19, a ministra do TSE Luciana Lóssio determinou sua transferência para um hospital privado, a pedido da defesa de Garotinho. Ao receber alta, na terça-feira, o ex-governador seguiu para prisão domiciliar.

Segundo o Ministério Público Eleitoral, no entanto, o TSE não poderia analisar um habeas corpus de Garotinho, uma vez que há um pedido de habeas corpus no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Rio de Janeiro que ainda não foi apreciado.

LEIA TAMBÉM:  Senado barra parentes de políticos em novo prazo para repatriação de recursos

Idas e vindas do ex-governador

Atualmente, Garotinho atuava como0 secretário de Governo do município de Campos, onde a mulher dele, Rosinha Garotinho, é prefeita. Além de ex-governador, ele também foi deputado federal e prefeito de Campos.

Garotinho deixou o PDT após divergências com Brizola e filiou-se ao PSB, partido pelo qual disputou a Presidência da República em 2002, ficando em terceiro lugar. Naquele mesmo ano, foi cabo eleitoral de sua mulher para sucedê-lo no governo do Rio. Rosinha Garotinho foi eleita no primeiro turno e nomeou o marido secretário de Segurança Pública.

Na noite da última quinta-feira (17), a transferência de Anthony Garotinho do Hospital Souza Aguiar para o Hospital Penitenciário de Bangu foi marcada por uma série de tumultos .

A Polícia Federal foi acionada pela Justiça de Campos dos Goytacazes para fazer a transferência. Ele saiu amparado pelos bombeiros do Samu, mas recusou-se a entrar na ambulância, levantando-se por duas vezes da maca onde estava, precisando ser contido pelos profissionais de saúde. As cenas renderam uma série de piadas  na internet.

A ex-governadora Rosinha Garotinho quase desmaiou por duas vezes e precisou ser amparada por assessores. Ela gritava “Meu marido não é bandido” e tentava acompanhar o marido dentro da ambulância. 

*Com informações da Agência Brasil


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.