Tamanho do texto

Deputada votou contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que limita o aumento das despesas do governo federal pelos próximos 20 anos

Deputada Clarissa Garotinho (PR-RJ) pode ser expulsa do partido por ter votado contra a PEC do teto de gastos
Nilson Bastian/Câmara dos Deputados - 2.3.2016
Deputada Clarissa Garotinho (PR-RJ) pode ser expulsa do partido por ter votado contra a PEC do teto de gastos

O Partido da República (PR) estuda expulsar do partido a deputada federal Clarissa Garotinho (RJ) pelo fato de a parlamentar ter votado contra a Proposta de Emenda à Constituição, que limita o crescimento dos gastos públicos pelos próximos 20 anos. A decisão sobre a desfiliação deverá ser anunciada ainda nesta segunda-feira (21), de acordo com a assessoria de imprensa da legenda.

LEIA MAIS:  Filha de Garotinho nega que tentou coagir médico e aponta "perseguição" de juiz

Dos 40 deputados do partido que participaram da apreciação da matéria em segundo turno no plenário da Casa, no fim de outubro, apenas três se posicionaram contra a PEC, apesar de o PR ter orientado a bancada pela aprovação. Além de Clarissa Garotinho , também votaram contra a proposta os parlamentares Silas Freire (PI) e Zenaide Maia (RN).

A direção nacional do partido informou que a decisão sobre a permanência, ou não, de Clarissa deverá ser anunciada ainda hoje. A legenda, por outro lado, não respondeu se pretende expulsar os outros dois deputados que votaram contra a PEC. O posicionamento pode ser revelado por volta das 17h30.

A proposta limita o crescimento dos gastos do governo federal ao mesmo percentual da inflação no acumulado de 12 meses, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A matéria já está sob análise no Senado, onde deverá ser votada em plenário ainda neste ano, conforme cronograma definido pelo presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL).

LEIA MAIS:  Entenda o que está em jogo (e as polêmicas) com a PEC que limita o gasto público

Apesar de o governo garantir que a PEC é fundamental para reequilibrar as contas públicas do País, a medida é alvo de críticas por parte da oposição, que considera que a proposta irá diminuir os investimentos em saúde, educação e nas áreas sociais. Movimentos estudantis chegaram a ocupar centenas de escolas em todo o Brasil para pressionar os parlamentares a rejeitar matéria.

Crise em família

Clarissa é filha do ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho, que foi preso na semana passada pela Polícia Federal. Ele é acusado de montar um esquema de compra de votos por meio do programa Cheque Cidadão, da prefeitura de Campos dos Goytacazes, onde é secretário de Governo. A prefeita do município é a mulher dele, Rosinha. O político também é acusado de ter oferecido R$ 5 milhões , por meio de terceiros, a pessoas próximas ao juiz Glaucenir Silva de Oliveira, para tentar evitar a prisão. A defesa nega a tentativa de suborno.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.