Tamanho do texto

Ao criticar ocupações, presidente reclamou de protestos com "argumentos físicos" e diz que pessoas atacam a reforma do ensino médio "sem ler o texto"

Temer atacou protestos com ocupações de estudantes contra a PEC do teto de gastos e a reforma do ensino médio
José Cruz/Agência Brasil - 8.11.16
Temer atacou protestos com ocupações de estudantes contra a PEC do teto de gastos e a reforma do ensino médio

O presidente Michel Temer classificou como “ladainha” algumas das críticas que têm sido feitas a seu governo, em especial às medidas de definição de teto para os gastos públicos e os efeitos que elas trariam para os setores de educação e saúde. Ao citar as ocupações em escolas e universidades públicas, ele fez críticas ao que chama “argumentos físicos” – tipo de argumentação que foge do campo das ideias. As declarações de Temer foram feitas nesta terça-feira (8) durante a abertura de um seminário sobre infraestrutura, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

“Dizem que isso [a PEC do teto dos gastos públicos] vai prejudicar setores importantíssimos do País, como saúde e educação. Foi aí que o [ministro da Fazenda, Henrique] Meirelles organizou o orçamento para 2017, aplicando [o que está previsto na] PEC. E, ao fazê-lo, vimos que aumentamos as verbas para saúde e educação. Divulga-se muita ladainha, por mais que se fale”, disse o presidente.

Segundo Temer, situação similar ocorreu durante a tramitação da Medida Provisória (MP) que trata da reforma do ensino médio. Entre as críticas feitas à MP está a de que ela não foi debatida com a sociedade. O presidente ressaltou, no entanto, que a medida teve por base projetos de lei que já tramitavam no Congresso e que, se o Congresso Nacional assim desejar, a MP pode ser substituída por algum desses projetos de lei.

LEIA TAMBÉM:  Temer cita Tatcher para justificar PEC do Teto e prevê crescimento em 2017

“Sempre se falava na necessidade da reforma do ensino médio, mas nunca se fazia”, disse ele. “As pessoas debatem sem ler o texto. Mas se quiserem votar um projeto de lei, não há problema nisso. Se for necessário aprovar o projeto de lei, nós votaremos”.

Na avaliação do presidente, ao dar condições para que, no ensino médio, se valorize também a formação técnica dos alunos, a MP proporciona mais alternativas. Da forma como está, acrescentou o presidente, o estudante se forma sem condições de fazer sequer cálculos matemáticos básicos. “Além disso, a pessoa fala um idioma que não sabe de onde vem”, disse em tom crítico à forma como a língua portuguesa é ensinada.

LEIA TAMBÉM:  Comissão da reforma política se esquiva de pontos polêmicos em primeira reunião

Programas sociais

Ao comentar alguns dos programas sociais desenvolvidos pelo governo federal, Temer destacou a relevância de alguns deles para o aquecimento de setores da economia, como o da construção civil. Ele, no entanto, disse que, com o crescimento do País, alguns deles poderão se tornar desnecessários, caso o país consiga gerar empregos.

“Os programas [sociais] são úteis para o Brasil. O Bolsa Família, por exemplo. Para gente paupérrima, verificou-se que o Bolsa Família é importante. Não é para ser eterno, porque o País deverá crescer com o tempo, de tal maneira que não seja necessário o Bolsa Família”, disse ele ao destacar que o reajuste desse benefício, já durante seu governo, chegou a 12%.

LEIA TAMBÉM:  Conselho ouve hoje testemunhas de Jean Wyllys em ação por cusparada em Bolsonaro

Outro programa citado pelo presidente Temer foi o Minha Casa, Minha Vida. “Há nele várias vantagens. Uma, que ajuda os pobres. Outra, que mobiliza a construção civil e o setor de materiais de construção. Vamos inclusive lançar nesta semana o Cartão Reforma, que é a possibilidade de a pessoa receber um financiamento de R$ 5 mil da Caixa para reformar sua casa. É mais uma coisa voltada aos mais pobres e também à construção civil, que gerará emprego. Este é o tópico do nosso governo”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.