undefined
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Rodrigo Maia afirmou que, em respeito à Casa, a matéria será votada na noite desta quarta-feira ou na quinta-feira (6)

Deputados aprovaram, por 278 votos a 39, um requerimento de urgência para votar ainda nesta quarta-feira (5) o Projeto de Lei (PL) 2.617/15 que altera a Lei de Repatriação de Recursos.

LEIA MAIS:  Reforma da Previdência deve ser votada no início de 2017, diz líder do governo

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), engrossou o tom e disse que a matéria tem que ser concluída como está atualmente, sem mais vai e volta do governo sobre pontos polêmicos como, por exemplo, a base sobre a qual os tributos vão incidir. "Não trate a gente como palhaço", disse ao se referir sobre a questão da incidência do imposto.

O objetivo do PL é estimular mais contribuintes a regularizarem recursos mantidos no exterior. Pela lei vigente, para repatriar recursos mantidos no exterior o interessado é obrigado a pagar imposto e multa no valor global de 30%.

No texto, até a manhã desta quarta-feira, estava a previsão de que os impostos recairiam sobre o saldo. Agora, o Planalto defende que seja sobre o fluxo de bens e recursos.

LEIA MAIS:  Temer discute PEC dos gastos públicos em jantar com deputados da base aliada

Maia afirmou que, em respeito à Casa, a matéria será votada na noite desta quarta-feira ou na quinta-feira (6), aprovando ou não mudanças como a extensão do prazo de adesão ao programa até 16 de novembro. “Ou então não vota nada. Se essa arrecadação vier abaixo do que está se esperando, o governo não vai fechar a conta e vai ficar com a conta aberta. Estou dizendo explicitamente", afirmou.

Pela lei em vigência, que foi aprovada no ano passado, as pessoas que têm bens e recursos no exterior poderiam regularizar a situação até 31 de outubro, mediante declaração e pagamento de imposto e multa no valor global de 30%.

LEIA MAIS: Por unanimidade, TCU recomenda rejeição das contas de 2015 do governo Dilma

Maia tem reiterado o discurso do governo de que, com as mudanças, é possível ampliar a arrecadação para entre R$ 70 bilhões e R$ 100 bilhões.

O relator da proposta, Alexandre Baldy (PTN-GO), defendeu a apreciação do projeto, assegurando que todas as alterações não mexem em questões penais, afastando a inclusão de recursos de pessoas condenadas na lei, e afirmou que o novo texto traz segurança jurídica para que a arrecadação seja ampliada.

Pré-sal

O presidente da Câmara afirmou ainda que, antes do mérito da repatriação, a Casa precisa resolver os impasses em torno do Projeto de Lei (PL) 4.567/16 que altera o regime de partilha da produção do Pré-Sal e que está na pauta desde a abertura da sessão extraordinária desta quarta-feira, às 9h, mas que ainda não avançou.

* Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

      Mostrar mais