Tamanho do texto

Sérgio Gomes da Silva, o Sombra, estava internado para o tratamento de um câncer; ele era segurança do ex-prefeito de Santo André, morto em 2002

Sombra era segurança de Celso Daniel e foi apontado pelo Ministério Público como mandante do assassinato do ex-prefeito
Reproduçao TV Globo
Sombra era segurança de Celso Daniel e foi apontado pelo Ministério Público como mandante do assassinato do ex-prefeito

O empresário Sérgio Gomes da Silva, o Sombra, morreu na manhã desta terça-feira (27) em São Paulo. Ele estava internado desde o dia 22 no hospital Montemagno, na Vila Formosa, para o tratamento de um câncer. Sombra foi apontado pelo Ministério Público como mandante do assassinato do ex-prefeito de Santo André Celso Daniel ( PT ), em 2002. O falecimento foi confirmado pela assessoria de imprensa do grupo NotreDame Intermédica, proprietário do hospital Montemagno, e pelo advogado Roberto Podval. O corpo deverá ser cremado nesta quarta-feira.

LEIA MAIS: Entenda quem são os personagens envolvidos no caso Celso Daniel

Segundo Podval, o empresário estava tranquilo em relação à tramitação na Justiça sobre a morte de Celso Daniel . “O processo foi anulado pelo Supremo [Tribunal Federal] e estava recomeçando agora na primeira instância. Ele [Sombra] estava feliz quando esteve comigo pela última vez. Ele já me disse: ‘vou morrer inocente’”, relatou o advogado.

Podval disse ainda que o empresário considerava como “o grande trauma” de sua vida o fato de ter sido acusado de “matar o melhor amigo dele”. “A própria polícia, nos três inquéritos que abriu, chegou à conclusão de que ele era inocente”, acrescentou o jurista.

Acusação

O Ministério Público acusou Silva de ter encomendado a morte de Celso Daniel para encobrir um suposto esquema de corrupção na prefeitura de Santo André, na Grande São Paulo. Ele dirigia o carro do petista quando a dupla foi abordada por homens armados na zona sul de São Paulo. O ex-prefeito foi sequestrado e seu corpo foi encontrado dias depois na cidade de Juquitiba, também na região metropolitana de São Paulo.

LEIA MAIS: Irmão de Celso Daniel acredita que Lava Jato pode esclarecer crime

Na época, a Polícia Civil classificou o homicídio como crime comum, descartando motivação política. Em 2014, entretanto, o STF anulou o processo referente ao caso, determinando o reinício da tramitação desde a fase de interrogatório dos acusados.

Em junho deste ano, o ministro Luiz Fux, do STF, decidiu pela reabertura da investigação  contra o ex-ministro José Dirceu para apurar suposto esquema de desvio de verbas na prefeitura de Santo André durante a gestão de Celso Daniel entre 1997 e 2002. Sombra era segurança do ex-prefeito e era apontado como um dos responsáveis pelo recebimento de propina junto a empresários que prestavam serviço de transporte público na cidade.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.