Tamanho do texto

Força-tarefa da operação denunciou oito pessoas ligadas às empreiteiras Queiroz Galvão e Iesa Óleo e Gás pelos crimes de cartel e fraude em licitação

Agência Brasil

De acordo com a denúncia, ex-executivos das empresas fraudaram licitações da Petrobras entre 2006 e 2014
Tânia Rêgo/Agência Brasil
De acordo com a denúncia, ex-executivos das empresas fraudaram licitações da Petrobras entre 2006 e 2014

A força-tarefa de procuradores da Operação Lava Jato denunciou nesta terça-feira (13) oito pessoas ligadas às empreiteiras Queiroz Galvão  e Iesa Óleo e Gás pelos crimes de cartel e fraude em licitação. É a primeira denúncia envolvendo integrantes do cartel de empresas que fraudava licitações na estatal.

LEIA MAIS:  Ministério Público prorroga força-tarefa da Lava Jato por mais um ano

Na ação, o Ministério Público Federal pede ressarcimento pelos desvios no valor de R$ 105 milhões e US$ 12 milhões para os denunciados ligados à Queiroz Galvão e de R$ 47 milhões, além de US$ 2 milhões, no caso dos envolvidos da Iesa.

LEIA MAIS:  STF desbloqueia R$ 2 bilhões da OAS

De acordo com a denúncia, ex-executivos das empresas fraudaram licitações da Petrobras entre 2006 e 2014. Segundo os procuradores, as apurações mostraram que houve oferecimento e pagamento de propina para ex-diretores da Petrobras que se comprometeram a manter o funcionamento do cartel.

Procuradas, as empresas não responderam aos contatos da reportagem.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.