Tamanho do texto

Ministra do Supremo Tribunal Federal tomará posse da presidência da Corte na próxima segunda-feira, se tornando a segunda mulher a assumir o cargo

Agência Brasil

Ministra Cármen Lúcia quebrará o protocolo do Supremo e não haverá a tradicional festa de recepção aos convidados
Antonio Cruz/ Agência Brasil
Ministra Cármen Lúcia quebrará o protocolo do Supremo e não haverá a tradicional festa de recepção aos convidados

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia recebeu nesta terça-feira (6) uma homenagem dos demais ministros, durante a última sessão da Segunda Turma, dias antes de sua posse na presidência da Corte . Após receber os cumprimentos dos colegas, a ministra disse que não gosta de festa, mas de processo. A posse da presidente será na segunda (12), às 15h.

“Eu não tenho a mesma tranquilidade para algumas funções do cargo de ministro do Supremo, porque eu não gosto muito de festa, nada disso. Eu gosto de processo. Hoje, eu sei porque fui advogada de audiência. Eu gosto mesmo disso aqui”, afirmou.

LEIA MAIS: Crime não vencerá a Justiça, diz ministra sobre atitude de Delcídio na Lava Jato

Na posse, a ministra quebrará o protocolo do Supremo e não haverá a tradicional festa de recepção aos convidados, bancada por associações de magistrados em todas as posses de ministros da Corte.

Ao agradecer a seus pares pela homenagem, a ministra também disse que fará o possível para honrar o cargo de presidente e defendeu a união do Poder Judiciário. “O Supremo é um só. O Poder Judiciário no Brasil tem que voltar a ser um só, hoje são vários. Acho que, juntos, somos muito mais”, concluiu.

LEIA MAIS:  Vice do STF, Cármen Lúcia diz que caso de estupro coletivo é inadmissível

A ministra ficará no lugar do atual presidente, Ricardo Lewandowski. O vice-presidente da Corte será o ministro Dias Toffoli.

Cármen Lúcia Antunes Rocha foi indicada para o Supremo pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e tomou posse em 2006. A ministra nasceu em Montes Claros (MG) e formou-se em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC), em 1977. Ela será a segunda mulher a assumir o cargo. A primeira foi a ex-ministra Ellen Gracie.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.