Tamanho do texto

Identificado com colete e crachá da BBC, jornalista levantou as mãos e se identificou como imprensa; mesmo assim, os policiais avançaram contra ele

BBC

Agressão durante cobertura do protesto em São Paulo foi registrada em vídeo pelo repórter da BBC Brasil
Reprodução/BBC
Agressão durante cobertura do protesto em São Paulo foi registrada em vídeo pelo repórter da BBC Brasil

Cobri o protesto contra o presidente da República, Michel Temer, desde o seu início na avenida Paulista, às 16h30. A manifestação seguiu sem problemas até o Largo da Batata, na zona oeste da capital.

No caminho, membros do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto obrigaram supostos black blocs a tirarem suas máscaras ou deixarem o ato. A intenção do MTST, segundo eles, era evitar que ocorressem atos de vandalismo.

LEIA MAIS:  Temer presidente: o que se espera em medidas e propostas

Minutos após os manifestantes começarem a se dispersar, por volta das 21h, a polícia começou a jogar bombas de gás lacrimôgeneo e efeito moral pelas ruas de Pinheiros. Também foram disparados diversos tiros de bala de borracha.

A Secretaria da Segurança Pública informou que a confusão começou após um princípio de tumulto na estação Faria Lima, "que se transformou em depredação". A pasta informa ainda que "vândalos quebraram catracas, colocando em risco funcionários" e que a "Polícia Militar atuou para restabelecer a ordem pública, sendo recebida a pedradas, intervindo com munição química e utilização de jato d'água".


Enquanto manifestantes atiravam garrafas e colocavam fogo em barricadas, eu acompanhava os confrontos atrás dos policiais, na rua Sumidouro. De repente, eles decidiram mudar de rota e se voltaram para o lado oposto ao que seguiam.

LEIA MAIS:  Temer enfrentará dilema de elevar popularidade com medidas impopulares

Nesse momento, a Tropa de Choque ficou de frente para mim e ao menos outros dois repórteres fotográficos. Ao perceber que poderia ficar encurralado, procurei uma rota de fuga e me encostei na parede para aguardar a passagem dos policiais.

Identificado com colete e crachá da BBC Brasil, levantei minhas mãos e me identifiquei como imprensa. Mesmo assim, os policiais avançaram contra mim enquanto gritavam para eu sair da frente.

"Sai da frente! Vaza, vaza!", diziam ao menos quatro policiais pouco antes de me atingir com golpes de cassetete no antebraço direito, na mão esquerda, no ombro direito, no peito e na perna direita. Um deles ainda me chamou de lixo, mas o áudio do vídeo que fiz não captou.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), o conflito começou após um tumulto na estação do metrô
Reprodução
Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), o conflito começou após um tumulto na estação do metrô


A marcas das agressões ficaram no meu corpo, principalmente no antebraço, que inchou e ficou roxo. Por sorte, o golpe que levei no peito foi amortecido pelo colete. Eu também usava capacete e máscara de gás. A utilização desses equipamentos de segurança é exigência de normas internas da BBC para cobertura de manifestações. O celular que eu usava caiu no chão após a agressão e ficou com a tela danificada.

LEIA MAIS: ‘ Alegria se formará aos poucos’ diz Temer, em resposta a declaração do papa 

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo informou que "os fatos narrados pelo repórter serão investigados e solicita que o jornalista registre um boletim de ocorrência".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.