Tamanho do texto

Em visita à China, presidente minimizou atos convocados por "um ou outro movimentozinho"; Temer embarca após encontros com chefes de Estado

O presidente Michel Temer já deixou a China e está a caminho do Brasil, onde deverá chegar durante a tarde desta terça-feira (6) a tempo de participar da cerimônia do 7 de setembro em Brasília e, caso se confirmem as expectativas, da abertura dos Jogos Paralímpicos no Rio de Janeiro. Temer embarcou às 7h30 (horário de Brasília).

Antes de embarcar, Michel Temer  fez comentários sobre as manifestações contra seu governo que vêm ocorrendo em todo o País. Ele mencionou uma situação em que integrantes do governo anterior fizeram críticas às manifestações de junho de 2013.

Avenida Paulista foi palco, neste domingo (4), do maior protesto contra o governo de Michel Temer até o momento
Reprodução/Twitter
Avenida Paulista foi palco, neste domingo (4), do maior protesto contra o governo de Michel Temer até o momento

“Uma coisa é manifestação democrática, que é importantíssima. Em junho de 2013, muitos do governo criticaram aquele movimento. Eu disse: 'não, não devemos criticar', e que eram brasileiros que pediam a eficiência do serviço público e que vão às ruas para se manifestar", lembrou Temer, destacando que aquele movimento "naufragou" por causa dos depredadores.

LEIA TAMBÉM:  No G20, Temer dá 1º passo em 'processo longo' de consolidação internacional

"Foi isso o que paralisou o movimento, exata e precisamente porque o povo brasileiro não é afeito à depredação. E nem a ordem jurídica admite depredação. Manifestação livre e protesto de natureza doutrinária, política e ideológica é admissível. Porém depredação é delito”, afirmou Temer.

Nos últimos dias, o presidente já havia comentado os protestos que vêm ocorrendo desde a confirmação do impeachment de Dilma Rousseff, classificando-os de "pequenos e depredadores" e que não passavam de um "movimentozinho". 

Encontros

Em seu último dia em Hangzhou, onde participou da Cúpula do G20 (grupo formado pelas 20 maiores economias mundiais), Temer participou de reuniões bilaterais com chefes de Estado do Japão, da Arábia Saudita e da Itália.

Nos encontros, Temer buscou transmitir a eles uma imagem positiva do Brasil com o intuito atrair investimentos, principalmente para a área de infraestrutura. Para  ampliar o comércio exterior brasileiro, Temer deu destaque especial aos produtos agropecuários do País.

LEIA TAMBÉM:  Polícia indicia 16 pessoas por atos de vandalismo em protesto contra Temer em SP

O presidente brasileiro reiterou o interresse brasileiro em atrair investimentos para portos, aeroportos e ferrovias durante conversa com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, conforme informa a Agência Brasil. Segundo Temer,  o Brasil quer vender mais carnes e frutas para o Japão. Shinzo Abe respondeu que o Japão está “pronto e esperançoso” para cooperar e fazer negócios com o Brasil.

Michel Temer buscou viabilizar acordos para atrair investimentos para a infraestrutura do País durante viagem à China
Beto Barata/ PR 04.09.2016
Michel Temer buscou viabilizar acordos para atrair investimentos para a infraestrutura do País durante viagem à China

A possibilidade de o Brasil receber investimentos em infraestrutura também foi pauta da reunião que Temer teve com o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy. Os dois chefes de Estado manifestaram de forma conjunta apoio ao acordo de paz entre o governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Com o vice-primeiro-ministro da Arábia Saudita, príncipe Mohammad bin Salman, Temer falou sobre o interesse brasileiro em aumentar as exportações de produtos agropecuários e de material de defesa. Ficou acertado o envio de uma missão técnica do governo do Brasil àquele país, em data ainda a ser definida.

Já na reunião com o primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi, acertou-se uma visita de 300 empresários italianos ao Brasil, em data a ser definida. A exemplo dos demais encontros bilaterais, Michel Temer reiterou o interesse do Brasil em atrair investimentos para concessões e desestatizações. Ele manifestou também interesse na venda de aeronaves fabricadas pela Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer).

*As informações são da Agência Brasil


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.