Tamanho do texto

Em sua primeira viagem internacional como efetivo, presidente da República afirma que não importa mais se Senado tomou decisão correta ao concordar em manter direitos políticos de Dilma Rousseff mesmo após impeachment

Michel Temer desembarca em Xangai, na China, para sua primeira viagem internacional como presidente efetivo
Beto Barata/PR
Michel Temer desembarca em Xangai, na China, para sua primeira viagem internacional como presidente efetivo

Dois dias após assumir a Presidência do Brasil efetivamente, Michel Temer comentou a decisão do Senado Federal de manter os direitos políticos de Dilma Rousseff  apesar do impeachment, que poderia obrigá-la a ser proibida de exercer qualquer função pública por um período de oito anos. De acordo com ele, que participou do Seminário Empresarial de Alto Nível Brasil-China em sua primeira viagem internacional como efetivo no Planalto, a questão passa agora a ser de natureza jurídica. 

LEIA MAIS:  Descendente da família real vai ao STF contra manutenção de direitos de Dilma

"O Senado tomou a decisão. Certa ou errada, não importa, o Senado tomou a decisão. Me parece que ela está sendo questionada agora juridicamente. Então, ela sai agora do plano exclusivamente político para o quadro de uma avaliação de natureza jurídica”, disse Temer  aos jornalistas que o acompanham na viagem.

O principal compromisso do presidente na viagem à cidade chinesa de Hangzhou é uma reunião do G-20, encontro que reúne as 20 maiores economias mundiais. O compromisso foi o que levou Temer a pressionar aliados a agilizar a votação do impeachment para, assim, marcar presença como presidente efetivo.

Seminário

Quem promoveu o Seminário Empresarial de Alto Nível Brasil-China em Xangai foi o Ministério das Relações Exteriores e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Henrique Meirelles, ministro da Fazenda; José Serra, das Relações Exteriores; Maurício Quintella, ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, e Blairo Maggi, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, participaram como palestrantes.

LEIA MAIS:  No G20, Temer tenta passar imagem de estabilidade política após impeachment

Nos dias 4 e 5, Temer parte de Xangai e segue para participação na 21ª reunião de Cúpula do G20. Ele se reunirá com o presidente chinês, Xi Jinping, em sua primeira reunião bilateral com um chefe de Estado. Há previsão de que o peemedebista participe também de reuniões com presidentes dos países que integram o BRICS: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

LEIA MAIS:  PMDB subscreve pedido para que Dilma perca direito a exercer função pública

A aceleração das discussões sobre o combate à evasão tributária é um dos principais pontos defendidos pelo Brasil, afirma o Ministério da Fazenda. A tributação de empresas multinacionais que burlam a legislação para não pagar impostos tanto nos países onde estão instaladas quanto nos países-sede é um dos pontos de debate.

Temer assumiu assumiu o cargo de presidente da República efetivo em 31 de agosto. Com a viagem à China, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (PMDB-RJ), assumiu o comando do País durante a ausência do peemedebista.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.