Tamanho do texto

Bloqueio dos recursos teve como objetivo ressarcir a Petrobras de prejuízos com o superfaturamento de contratos em obras da Refinaria Abreu e Lima

Liminar beneficia somente a Odebrecht, que havia entrado com mandado de segurança no STF questionando o bloqueio
Márcio Fernandes/Estadão Conteúdo
Liminar beneficia somente a Odebrecht, que havia entrado com mandado de segurança no STF questionando o bloqueio

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio deferiu nesta quinta-feira (1º) uma liminar que libera R$ 2,1 bilhões da construtora Odebrecht. O dinheiro se encontrava indisponível por decisão cautelar do Tribunal de Contas da União (TCU), proferida em 17 de agosto .

O bloqueio dos recursos teve como objetivo ressarcir a Petrobras de prejuízos com o superfaturamento de contratos em obras da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Na ocasião, foram bloqueados também bens do ex-presidente da petroleira estatal José Sergio Gabrielli e de ex-dirigentes da Odebrecht, bem como da construtora OAS e executivos.

LEIA MAIS: Suíça nega recurso da Odebrecht e confirma envio de documentos à Lava Jato

A liminar concedida por Marco Aurélio beneficia somente a Odebrecht, que havia entrado com mandado de segurança no STF questionando o bloqueio. Entre os argumentos, a empresa alegou falta de competência do TCU para embargar bens de entes privados e que a indisponibilidade dos recursos poderia paralisar a empresa.

LEIA MAIS: Maioria dos investigados na Lava Jato vota a favor do impeachment; veja os votos

Marco Aurélio acatou a argumentação. Para o ministro, cabe ao TCU bloquear bens somente de entes públicos. Marco Aurélio escreveu também que “o ressarcimento por eventuais prejuízos causados ao erário dependem da permanência da construtora em atividade”.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.