Tamanho do texto

Bloqueio dos recursos teve como objetivo ressarcir a Petrobras de prejuízos com o superfaturamento de contratos em obras da Refinaria Abreu e Lima

Liminar beneficia somente a Odebrecht, que havia entrado com mandado de segurança no STF questionando o bloqueio
Márcio Fernandes/Estadão Conteúdo
Liminar beneficia somente a Odebrecht, que havia entrado com mandado de segurança no STF questionando o bloqueio

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio deferiu nesta quinta-feira (1º) uma liminar que libera R$ 2,1 bilhões da construtora Odebrecht. O dinheiro se encontrava indisponível por decisão cautelar do Tribunal de Contas da União (TCU), proferida em 17 de agosto .

O bloqueio dos recursos teve como objetivo ressarcir a Petrobras de prejuízos com o superfaturamento de contratos em obras da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Na ocasião, foram bloqueados também bens do ex-presidente da petroleira estatal José Sergio Gabrielli e de ex-dirigentes da Odebrecht, bem como da construtora OAS e executivos.

LEIA MAIS: Suíça nega recurso da Odebrecht e confirma envio de documentos à Lava Jato

A liminar concedida por Marco Aurélio beneficia somente a Odebrecht, que havia entrado com mandado de segurança no STF questionando o bloqueio. Entre os argumentos, a empresa alegou falta de competência do TCU para embargar bens de entes privados e que a indisponibilidade dos recursos poderia paralisar a empresa.

LEIA MAIS: Maioria dos investigados na Lava Jato vota a favor do impeachment; veja os votos

Marco Aurélio acatou a argumentação. Para o ministro, cabe ao TCU bloquear bens somente de entes públicos. Marco Aurélio escreveu também que “o ressarcimento por eventuais prejuízos causados ao erário dependem da permanência da construtora em atividade”.