Tamanho do texto

Apesar da afirmação, presidente da Câmara evitou falar diretamente sobre o processo de cassação do deputado Eduardo Cunha, em curso no parlamento

Estadão Conteúdo

Para Rodrigo Maia (DEM-RJ), a questão em discussão é se a decisão de Lewandowski influencia outros julgamentos
Wilson Dias/Agência Brasil
Para Rodrigo Maia (DEM-RJ), a questão em discussão é se a decisão de Lewandowski influencia outros julgamentos

O presidente em exercício durante a viagem de Michel Temer à China, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou, nesta quinta-feira, (1), que haverá repercussão da decisão do ministro Ricardo Lewandowski em fatiar o julgamento do impeachment de Dilma Rousseff, nessa quarta-feira (31), no Senado Federal, com a votação em separado do seu afastamento definitivo e a inabilitação da petista para o exercício de funções públicas.

LEIA MAIS:  Após impeachment, Senado decide manter direitos políticos de Dilma Rousseff

"A questão em discussão é se a decisão de Lewandowski influencia outros julgamentos", disse Maia, evitando falar diretamente sobre o processo de cassação do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em curso no parlamento. Ele disse que no momento está concentrado "na interinidade" da Presidência da República e não tratou do assunto com a direção da Câmara dos Deputados.

LEIA MAIS:  Aliados de Cunha usarão julgamento de Dilma para aprovar pena mais branda

"A única questão que poderá ser colocada será de fato se vota preposição ou parecer, a questão jurídica ficou aberta. Se for preposição, abre a possibilidade de suprimir ou apresentar emendas para mudar a pena", comentou Maia na entrevista. E frisou que discutirá o assunto somente após reassumir o comanda da Câmara, no dia 7 de setembro. "Ainda não analisei. A questão em discussão é se a decisão do ministro Lewandowski influencia qualquer outro julgamento", emendou.

LEIA MAIS:  Temer se reúne com Maia e líderes da base para discutir votações na Câmara

Ele reforçou que o processo de Cunha será votado no dia 12 de setembro. "Acho que vai ter quórum elevado. Cada deputado vai tomar uma decisão como achar legal. A data está marcada e o julgamento será feito."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.