Tamanho do texto

Maiores atos de apoio a Dilma e contra o presidente Michel Temer ocorrem em SP, Rio e Brasília; na Avenida Paulista, também ocorre 'comemoração'

Manifestantes participam do protesto
Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo - 31.8.16
Manifestantes participam do protesto "Fora, Temer", na Avenida Paulista, em São Paulo, nesta quarta-feira (31)

Apoiadores da agora ex-presidente Dilma Rousseff realizam protestos contra o impeachment da petista em ao menos dez Estados, mais o Distrito Federal, desde o fim da tarde desta quarta-feira (31).

Os maiores atos acontecem em São Paulo, onde os manifestantes tomaram parte da Avenida Paulista, na região central da cidade; no Rio de Janeiro, onde o ato ocorre na praça da Cinelândia; e em Brasília, onde os apoiadores de Dilma se concentram na Praça dos Três Poderes.

LEIA TAMBÉM:  Temer afirma que quer deixar governo "sob aplausos" e rechaça rótulo de golpista

As manifestações foram convocadas pelos movimentos da sociedade civil Frente Brasil Popular e Povo Sem Medo por meio das redes sociais. Embora o número de participantes das manifestações em São Paulo, Brasília e no Rio de Janeiro seja considerável, o mesmo não ocorre em outros lugares, como em João Pessoa (PB), onde o ato de apoio à Dilma é quase inexpressivo.

Também registraram manifestações pró-Dilma e contra o agora presidente efetivo, Michel Temer, os Estados de Santa Catarina, Rio Grande do Norte, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Ceará, Paraná e Pará.

Confusão

Manifestantes comemoram na Avenida Paulista, em São Paulo, o afastamento definitivo da presidente Dilma Rousseff
Cris Faga/Fox Press Photo/Estadão Conteúdo - 31.8.16
Manifestantes comemoram na Avenida Paulista, em São Paulo, o afastamento definitivo da presidente Dilma Rousseff

Na Avenida Paulista, além dos apoiadores de Dilma, também ocorre um ato em comemoração ao impeachment em frente ao prédio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). 

Por volta das 18h40, houve confusão entre pessoas contra e a favor do impeachment no local. Um grupo começou a gritar xingamentos contra o PT. A polícia interveio e a confusão foi dispersada.

Dois bonecos foram  inflados pelos manifestantes pró-impeachment: um representando Dilma e o outro, Renan Calheiros.

A Polícia Militar fez um cordão de isolamento entre o quarteirão onde estão os manifestantes pró-impeachment e o quarteirão onde ocorre manifestação contra o impedimento de Dilma. Dois carros da tropa de choque também ajudam no bloqueio.


*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.