Tamanho do texto

Com atenção voltada ao placar do impeachment da presidente afastada, o peemedebista distribuiu afagos e usou seu discurso para fazer promessas

Temer permaneceu no Planalto até a madrugada de quarta, em demonstração clara de sua preocupação com o futuro
Beto Barata/PR - 24.8.16
Temer permaneceu no Planalto até a madrugada de quarta, em demonstração clara de sua preocupação com o futuro

O presidente em exercício Michel Temer atendeu parlamentares na quarta-feira (24) e comandou uma solenidade no salão nobre do Palácio do Planalto. Com atenção voltada ao placar do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff no Senado, o peemedebista distribuiu afagos e usou seu discurso para fazer promessas, se comportando como se já estivesse efetivado no cargo. O julgamento final da petista começa nesta quinta-feira (25) no Senado. 

LEIA MAIS:  Quais as armas de Dilma e Temer na etapa final do impeachment?

No entanto, o dia e as negociações para consolidar o placar do impeachment foram atropelados pela animosidade criada com o DEM e o PSDB, contrários ao aumento do Judiciário, que acabaram exigindo que o Planalto se posicione contra o reajuste de salários dos servidores. Entretanto, o governo Temer obteve uma vitória no Senado, ao final da tarde, com a aprovação, em segundo turno, por 54 votos, da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que recria a Desvinculação de Receitas da União (DRU).

LEIA MAIS:  Aliados de Temer definem estratégia para o julgamento do impeachment

Michel Temer permaneceu no Palácio do Planalto até a madrugada de quarta-feira (24), em uma demonstração clara de sua preocupação com o futuro, acompanhando a aprovação do texto-base da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2017 no Congresso, que incluía o teto de gastos, considerada peça fundamental para o ajuste fiscal. Por falta de quórum, dois destaques que faltavam para concluir a votação não puderam ser votados.

Reajuste

O jantar que estava marcado na casa de Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, foi transferido para a noite de quarta-feira (24) por causa desta votação. O encontro ganhou um ingrediente a mais no cardápio, com os depoimentos públicos de tucanos cobrando do Planalto que  o PMDB , partido do presidente em exercício , assim como os outros da base, rechaçassem a proposta de aumento do Judiciário, em razão do impacto do reajuste no Orçamento da União.

Michel Temer e autoridades durante a cerimônia de lançamento do Plano Agro+ no salão nobre do Palácio do Planalto
Beto Barata/PR - 24.9.16
Michel Temer e autoridades durante a cerimônia de lançamento do Plano Agro+ no salão nobre do Palácio do Planalto

O presidente interino acabou abrindo espaço em sua agenda para discutir a crise com os tucanos, ao receber o senador José Aníbal (PSDB-SP), além de concentrar esforços recebendo deputados e senadores em seu gabinete para assegurar ao menos 54 votos necessários para aprovar o afastamento definitivo de Dilma.

LEIA MAIS:  Temer discute com marqueteiro primeiro pronunciamento pós-impeachment

"Autoridades"

Durante a cerimônia de lançamento do Plano Agro Mais, no palácio em um salão repleto de parlamentares, Michel Temer fez questão de agradecer em seu discurso a presença de "tantas autoridades". Ele esteve também com o senador Eduardo Amorim (PSC-CE).

Temer comentou, no início do discurso, sua vontade de criar um órgão especializado em desburocratizar o Brasil. "O que o País mais precisa é eficiência", afirmou o peemedebista, que, em seguida, dirigiu a palavra a Waldemir Moka (PMDB-MS), um dos senadores que estavam na plateia.

*Com informações do Estadão Conteúdo

    Leia tudo sobre: impeachment