Tamanho do texto

Agentes cumprem 120 mandados judiciais; grupo teria desviado R$ 4,5 milhões em recursos federais a partir de uma empresa pública do Estado

Estadão Conteúdo

Afreni Gonçalves, presidente do PSDB em Goiás, foi preso, nesta quarta,  na Operação Decantação da Polícia Federal
Divulgação/PSDB
Afreni Gonçalves, presidente do PSDB em Goiás, foi preso, nesta quarta, na Operação Decantação da Polícia Federal

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (24) a Operação Decantação contra um grupo que teria desviado cerca de R$ 4,5 milhões em recursos federais a partir de uma empresa pública de Goiás. A ação, que contou com apoio do Ministério Público Federal e do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle, evitou um prejuízo de quase R$ 7 milhões. O presidente do PSDB em Goiás, Afreni Gonçalves, foi preso.

LEIA MAIS:  Renan Calheiros defende maior participação do PSDB no governo Temer

Cerca de 300 policiais federais cumprem 120 mandados judiciais, sendo 11 de prisão preventiva, quatro de prisão temporária, 21 de condução coercitiva e 67 de busca e apreensão nas sedes de empresas envolvidas e de partido político, além de residências e outros endereços relacionados aos investigados.

As ordens judiciais foram cumpridas em Goiânia (GO), Aparecida de Goiânia (GO), Formosa (GO), Itumbiara (GO), São Paulo(SP) e Florianópolis (SC). Também foi determinado o afastamento da função pública de oito servidores e a proibição de comunicação entre nove investigados.

LEIA MAIS:   Líder do PSDB no Senado critica ação da PF que prendeu Paulo Bernardo

A PF identificou que dirigentes e colaboradores da empresa Saneamento de Goiás S/A –SANEAGO promoveram licitações fraudulentas mediante a contratação de uma empresa de consultoria envolvida no esquema.

Recursos públicos federais, oriundos do Programa de Aceleração do Crescimento –PAC, de financiamentos do BNDES e da Caixa Econômica Federal, foram desviados para pagamento de propinas e dívidas de campanhas políticas, segundo a PF. Outra forma de atuação do grupo consistia no favorecimento pela consultoria contratada pela SANEAGO a empresas que participavam do conluio e que eram responsáveis, posteriormente, por doações eleitorais.

LEIA MAIS:  Documentação comprovaria compra fraudulenta de imóveis por tucanos

Os envolvidos responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de peculato, corrupção passiva, corrupção ativa, organização criminosa e fraudes em processos licitatórios.

O nome Decantação faz alusão a um dos processos de tratamento de água, em que ocorre a separação de elementos heterogêneos. Os alvos ainda não se manifestaram sobre as acusações.