Tamanho do texto

Encontro deve tratar detalhes do projeto da renegociação da dívida dos Estados que tratam de compensações aos governos do Norte e Nordeste

Presidente em exercício Michel Temer é recepcionado por Rodrigo Maia. Ao lado, o líder do governo na Casa, André Moura
Dida Sampaio/Estadão Conteúdo - 22.8.16
Presidente em exercício Michel Temer é recepcionado por Rodrigo Maia. Ao lado, o líder do governo na Casa, André Moura

*A primeira edição deste texto informava que o deputado André Figueiredo (PDT-CE) teria participado do encontro – o que não aconteceu. A informação foi corrigida às 15h22 do dia 23 de agosto.

O presidente da República em exercício, Michel Temer (PMDB), discute nesta segunda-feira (22) com líderes da base aliada na Câmara dos Deputados e com o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), projetos em votação. Acompanhado pelos ministros da Secretaria de Governo, Geddel Vieira, e da Casa Civil, Eliseu Padilha, o encontro acontece na residência oficial de Maia, na capital federal.

Segundo líderes, um dos assuntos tratados será os destaques ao projeto da renegociação da dívida dos Estados que tratam de compensações aos governos do Norte e do Nordeste. Governadores dessas regiões pressionam deputados a aprovar destaque prevendo aumento do repasse do Fundo de Participação dos Estados (FPE). Eles pedem essa aprovação como compensação pelo fato de, segundo eles, terem sido menos beneficiados pelo projeto da renegociação.

LEIA MAIS: Ausente no encerramento da Olimpíada, Temer manda carta a premiê japonês

Estão presentes os líderes Rogério Rosso (PSD), Aguinaldo Ribeiro (PP), Antonio Imbassahy (PSDB), André Moura (governo), Pauderney Avelino (DEM), Rubens Bueno (PPS), Jovair Arantes (PTB), Baleia Rossi (PMDB), Evandro Gussi (PV), Aelton de Freitas (PR) e o deputado Paulinho da Força, presidente do Solidariedade.

LEIA MAIS: Temer discute com marqueteiro pronunciamento na TV pós-impeachment

Em entrevista na chegada, Rosso e Aguinaldo previram que será possível votar os destaques ainda nesta segunda-feira. De acordo com eles, cerca de 90% de suas bancadas devem comparecer à sessão para participar da votação.

** Com informações do Estadão Conteúdo