Tamanho do texto

Relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal autorizou abertura de inquérito contra ex-ministro da Educação no governo Dilma

O ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a abertura do inquérito não só contra a presidente afastada, Dilma Rousseff , e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro José Eduardo Cardozo, mas também um dos principais aliados da petista: Aloizio Mercadante.

Mercadante é suspeito de tentar comprar silêncio do ex-senador Delcídio do Amaral em delação premiada
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 27.4.16
Mercadante é suspeito de tentar comprar silêncio do ex-senador Delcídio do Amaral em delação premiada

O ex-ministro da Educação é acusado de oferecer dinheiro para evitar um acordo de colaboração premiada do ex-senador Delcídio do Amaral na âmbito da Operação Lava Jato. Segundo delação de Amaral, ele teria recebido  de Mercadante "ajuda" financeira e política em troca de silêncio.

Para Teori, as evidências mostram que há indícios de que Mercadante teria tentado obstruir as investigações da Polícia Federal e, por isso, vai responder pelo crime no STF.   

A abertura do inquérito contra os sete investigados ocorreu nesta segunda-feira, 15, e foi confirmada pela assessoria do Supremo. A PGR quer investigar suposta tentativa de atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato. O pedido de investigação foi encaminhado ao STF em maio.

Outro lado

A assessoria do ex-ministro Mercadante afirmou que a abertura do inquérito servirá para demonstrar que não houve tentativa de obstrução de Justiça. "A decisão do Supremo Tribunal Federal de abertura de inquérito será uma oportunidade para o ex-ministro, Aloizio Mercadante, demonstrar que sua atitude foi de solidariedade e que não houve qualquer tentativa de obstrução da justiça ou de impedimento da delação do então senador Delcidio do Amaral."

A assessoria do STJ não irá se manifestar. Procurado, o advogado de Delcídio Amaral afirmou que não vai se manifestar.

*Com informações do Estadão Conteúdo