Tamanho do texto

Para Alexandre de Moraes, Brasil precisa de menos pesquisa em segurança e mais armamento; prioridades são “equipamentos para inteligência e bélicos”

Estadão Conteúdo

Segundo Moraes, um decreto será publicado  para permitir que policiais usem armamento apreendido com criminosos
Roberto Castro/ ME/Fotos Públicas - 21.07.16
Segundo Moraes, um decreto será publicado para permitir que policiais usem armamento apreendido com criminosos

Um decreto deve ser publicado até o final do mês para permitir que policiais usem armamento apreendido com criminosos, após processo de legalização. A informação foi anunciada pelo ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, durante entrevista realizada na Cidade da Polícia, zona norte do Rio de Janeiro, na terça-feira (16). 

LEIA MAIS:  Três são mortos em buscas de suspeitos de matar agente da Força Nacional 

O texto mudará substancialmente a regra atualmente em vigor, que obriga o Exército do Brasil a destruir todas as armas apreendidas com criminosos. Além disso, o decreto diminuirá o tempo de espera para a compra oficial de armas.  “Não é possível que se aguarde nove meses para comprar fuzis”, criticou  Moraes. 

Equipamentos e inteligência

Segundo o ministro, a pasta da Justiça dará prioridade à aquisição de equipamentos para as polícias do País durante a sua gestão, que começou em 12 de maio, e inclusive já solicitou à comissão orçamentária do ministério para “alterar várias rubricas” para poder concentrar ações. 

LEIA MAIS:  Moraes é convocado pelo Senado para explicar mudanças em ministério

Ele também ressaltou que a prioridade do ministério, neste momento, é investir em “equipamentos para inteligência e equipamentos bélicos”.