Tamanho do texto

A coligação que elegeu Dilma impugnou as contas apresentadas por Aécio depois da disputa eleitoral; após análise e registro de ocorrências a serem esclarecidas, o tucano apresentou retificações nas prestações de contas

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) disputou
Pedro França/Agência Senado - 2.5.16
O senador Aécio Neves (PSDB-MG) disputou

A ministra Maria Thereza de Assis Moura, do Tribunal Superior Eleitoral, determinou que seja feita uma apuração na prestação de contas de campanha do senador Aécio Neves (PSDB-MG), candidato derrotado nas eleições presidenciais de 2014. O procedimento é semelhante ao adotado pelo ministro Gilmar Mendes, atual presidente da Corte, na prestação de contas da presidente afastada, Dilma Rousseff. Em seu despacho, a ministra destacou a necessidade de "garantir a paridade de tratamento" nos processos de prestação de contas apresentados na campanha presidencial.

"Entendo ser salutar a apuração efetiva de denúncia de fatos graves eventualmente trazidos para a prestação de contas, não só pelo reflexo que podem trazer no julgamento da própria prestação", escreveu a ministra. Ela determinou que a assessoria técnica do TSE verifique informações sobre nove empresas, com auxílio da Receita Federal e do Tribunal de Contas da União. 

LEIA MAIS: PT recorre à comissão da OEA para suspender impeachment

A intenção com o procedimento é checar quantos empregados nove empresas identificadas como possíveis irregularidades possuíam em 2014, ano da eleição, e quais prestadoras de serviços foram constituídas no próprio ano do pleito. O procedimento serve para verificar a existência de possíveis empresas de fachada.

A ministra destaca ainda que a assessoria técnica do Tribunal usa o mecanismo da amostragem para apurações sobre prestação de serviços. Mas ela destacou que, diante das denúncias, é preciso ampliar a análise para "esclarecer todas as supostas irregularidades apontadas nos autos".

A coligação que elegeu Dilma impugnou as contas apresentadas por Aécio logo após a disputa eleitoral. Após análise dos técnicos e registro de ocorrências a serem esclarecidas, o tucano apresentou retificações nas prestações de contas. 

LEIA MAIS:  "Não vejo razão para novas eleições", afirma Gilmar Mendes

Em outubro, o PT alegou ao TSE que há "notícia de irregularidades graves" nas contas do tucano que necessitavam de uma análise aprofundada e questionou as retificadores apresentadas. Os advogados do PT listaram irregularidades nas contas, como depósito irregular na conta do comitê financeiro do PSDB. Em abril, o PT voltou à Justiça eleitoral e apontou nove empresas fornecedoras de serviço para a campanha de Aécio que não teriam capacidade de prestar serviços para a campanha. A sigla pediu que as informações sobre as respectivas empresas fossem encaminhadas aos mesmos órgãos de investigação para os quais o ministro Gilmar Mendes despachou trechos das contas de Dilma para apuração.

Partidos

Nesta terça-feira (9), a ministra Maria Thereza de Assis Moura pediu ao presidente da Corte, Gilmar Mendes, que sejam abertas investigações contra o PMDB e o PP com base nas apurações em andamento no âmbito da Operação Lava Jato. Na semana passada, Gilmar solicitou apuração semelhante sobre uso de verbas públicas da Petrobrás, mas com relação ao PT. Se a investigação concluir que houve uso de financiamento vedado pela legislação eleitoral, o resultado pode ser a extinção das siglas.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.