Tamanho do texto

Maria Aparecida Nery de Melo registrou boletim de ocorrência em 31 de dezembro de 2015 no qual acusa senador de agredi-la com socos e chutes

Estadão Conteúdo

Assessoria de Mota informa que ele está
Jefferson Rudy/Agência Senado
Assessoria de Mota informa que ele está "tranquilo" e quer celeridade na apuração do caso, que classifica como "calúnia"

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de abertura de inquérito contra o senador Telmário Mota (PDT-RR). A intenção é investigar se o parlamentar agrediu uma jovem de 19 anos até a perda de consciência da vítima.

LEIA MAIS:  Telmário Mota é novo relator do caso Delcídio no Conselho de Ética

Maria Aparecida Nery de Melo registrou boletim de ocorrência em 31 de dezembro de 2015, na oual acusa Telmário, com quem disse manter relacionamento, de agredi-la com socos e chutes em sua casa. O caso foi revelado pelo jornal "Folha de S.Paulo". O exame de corpo de delito constatou lesões pelo corpo da vítima. Ela também relatou ameaças de morte por parte do senador para que não houvesse uma denúncia dos episódios de agressão.

Depois do relato inicial, Maria Aparecida mudou a versão e negou ter sido agredida. No segundo depoimento à polícia, ela afirmou que disparou socos e pontapés contra o namorado, que somente a segurou para evitar as agressões. No final de julho, após a divulgação do caso pela imprensa, a jovem gravou um vídeo no qual afirma que não sofreu agressões do senador.

LEIA MAIS: Ministro do STF nega pedido de senador para anular processo de impeachment

Janot entendeu que existem elementos suficientes para instalar uma investigação contra o parlamentar. "Apesar da diversidade de versões, a verossímil é a primeira, porquanto o exame de corpo de delito efetivado em Maria Aparecida Nery de Melo apontou lesões em diversas partes do corpo. Com efeito, se Telmário Mota a tivesse tão somente segurado para fazer cessar injusta agressão, Maria Aparecida não apresentaria lesões na face e no corpo", escreveu o procurador-geral da República.

LEIA MAIS: Feliciano se torna alvo de deputadas após ser acusado de tentativa de estupro

No pedido de abertura de inquérito, o procurador-geral destacou ainda que a Lei Maria da Penha transformou os casos de lesão corporal em situação de violência doméstica em crime que dispensa a representação da vítima.

A assessoria do senador Telmário Mota informa que ele está "tranquilo" e quer celeridade na apuração do caso, que classifica como "calúnia".