Tamanho do texto

Após a leitura do relatório, cada senador terá dez minutos para falar; até a noite desta segunda-feira, lista de inscritos para discursar tinha 43 senadores

Agência Brasil

Os senadores iniciaram na manhã desta terça-feira a análise em plenário do parecer do relator Antonio Anastasia (PSDB-MG), que pede o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff por crime de responsabilidade, em razão da assinatura de decretos de suplementação orçamentária e da realização de operações de crédito entre o Tesouro e o Banco do Brasil.

Se a maioria simples dos parlamentares o aprovarem – 42 votos – Dilma enfrentará oficialmente o julgamento final do processo, possivelmente ainda no final do mês.

A sessão é coordenada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, e tem previsão de durar aproximadamente 20 horas. Ela foi iniciada com a apresentação de questões de ordem pelos senadores, especialmente daqueles que defendem a permanência de Dilma na Presidência da República, para, posteriormente, seguir com a leitura do relatório por Anastasia.

LEIA MAIS: PF intima dona Marisa e filho mais velho de Lula para depor sobre sítio

Após a leitura, cada senador tem direito a discursar por dez minutos. Após isso, a acusação tem 30 minutos para fazer suas últimas considerações, mesmo tempo dado à defesa, antes que a votação seja iniciada.

Aliados de Dilma prometeram apresentar questões de ordem para tentar adiar a votação do processo de impeachment
Reprodução/ BBC
Aliados de Dilma prometeram apresentar questões de ordem para tentar adiar a votação do processo de impeachment

Os parlamentares proferem seus votos abertamente, revelados no painel eletrônico do Senado, e as lideranças partidárias poderão apresentar até quatro destaques por partido ao texto para serem votados separadamente. As sugestões de mudança ao texto serão votadas logo após a leitura do parecer principal.

LEIA MAIS:  Líderes de oposição protocolam representação contra Temer na PGR

Em reunião no Senado na última semana, Lewandowski acertou esses e outros detalhes da sessão com os líderes dos partidos. Ficou estabelecido que a ela seguirá até a votação final, com interrupções de uma hora a cada quatro para descanso dos parlamentares. A expectativa é de que todas as votações ocorram na madrugada de quarta-feira (10).

    Leia tudo sobre: impeachment