Tamanho do texto

Além de ação no STF, senadores preparam requerimentos para tentar suspender a sessão do Senado marcada para a manhã desta terça-feira (9)

Estadão Conteúdo

Dilma Rousseff enfrenta pedido de impeachment no Congresso Nacional, acusada de crimse de responsabilidade fiscal
Dida Sampaio/Estadão Conteúdo - 24.02.2016
Dilma Rousseff enfrenta pedido de impeachment no Congresso Nacional, acusada de crimse de responsabilidade fiscal

O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), afirmou nesta segunda-feira (8) que os aliados da presidente afastada, Dilma Rousseff, vão apresentar 11 questões de ordem para tentar suspender a sessão da Casa desta terça-feira (9), que votará a pronúncia da petista. Eles também devem pedir ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, a anulação do processo de impeachment da petista.

O argumento principal é que não se pode afastar definitivamente Dilma após a divulgação pela revista "Veja" de que o empresário Marcelo Bahia Odebrecht declarou, em delação premiada à força-tarefa da Operação Lava Jato, ter repassado R$ 10 milhões em dinheiro vivo ao PMDB, a pedido do presidente em exercício, Michel Temer.

LEIA TAMBÉM:  Senadores se inscrevem para sessão que pode levar Dilma Rousseff a julgamento

O líder petista defendeu que ao menos se suspenda a sessão de pronúncia, na qual os senadores vão decidir, por maioria simples, se o processo contra Dilma está pronto para ir a julgamento.

"É um contrassenso nós termos uma presidente julgada que poderá perder o seu mandato por ter editado três decretos de suplementação orçamentária e ter praticado o que eles chamam de pedaladas fiscais, enquanto o interino é acusado de propinas e caixa dois em valores tão elevados", afirmou Costa.

LEIA TAMBÉM:  Gilmar Mendes rebate críticas e nega ter pedido a "extinção do PT"

O líder do PT disse que, nas questões de ordem, também vai se pedir mais prazo para que peritos do Senado se pronunciem sobre, por exemplo, a não existência das pedaladas fiscais. Ele afirmou esperar que Ricardo Lewandowski – que vai presidir a sessão de pronúncia – acolha os pedidos que serão apresentados pelos aliados de Dilma.

Ainda assim, Costa reconheceu que a presidente afastada não tem votos suficientes para impedir a aprovação da sentença de pronúncia, mas disse acreditar ainda na reversão do resultado no julgamento final – quando serão necessários os votos de ao menos 54 dos 81 senadores. Pelas contas dele, são necessários apenas cinco votos para conquistar os 28 favoráveis à Dilma, o que impediria a condenação dela.

    Leia tudo sobre: Impeachment
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.