Tamanho do texto

Rui Falcão afirmou que proposta defendida pela presidente afastada de convocar um novo pleito seria um "golpe contra ela e contra seus eleitores"

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, afirmou nesta quinta-feira (4) que não vê "nenhuma viabilidade" na proposta de consultar a população para a realização de novas eleições. A ideia vem sendo estudada pela presidente afastada, Dilma Rousseff , que estaria preparando uma carta para defendê-la publicamente.

Para o presidente do PT , a proposta é inviável porque, "na melhor das hipóteses", só seria possível em 2018, ano para qual estão previstas as próximas eleições presidenciais. "Em primeiro lugar para antecipar a eleição, precisaria saber se se trata de cláusula pétrea ou não, o STF (Supremo Tribunal Federal) teria de se pronunciar. Caso não seja, será preciso uma emenda constitucional, que requer duas votações, na Câmara e no Senado, com dois terços de aprovação. E, em terceiro lugar, caso se aprove a antecipação e haja uma fixação de regras para as eleições, elas só poderiam ser realizadas um ano após a decisão, em razão do princípio de anualidade. Então, na melhor das hipóteses, isso só ocorreria em 2018", explicou.

Presidente do PT, Rui Falcão diz que resultado de votação na comissão do impeachment era
Lula Marques/ Agência PT/Fotos Públicas
Presidente do PT, Rui Falcão diz que resultado de votação na comissão do impeachment era "perfeitamente previsível"

Na avaliação de Rui Falcão, se Dilma defender a convocação de um plebiscito para consultar a população sobre novas eleições ela estará tentando impedir o próprio mandato. "Será um golpe contra ela e contra os 54 milhões de eleitores que votaram nela" disse. Falcão afirmou ainda que a proposta tem perdido força porque não seria suficiente para convencer senadores a votar contra o impeachment.

Em vez disso, Falcão defende um plebiscito para consultar a população sobre medidas para ampliar a governabilidade e realizar reformas políticas eleitorais. Sobre uma possível candidatura de Michel Temer em 2018, Falcão minimizou a questão. Disse que, na sua opinião, Temer não será candidato. "Porque é ficha suja e porque não tem voto", afirmou.

Impeachment

Sobre a aprovação do relatório favorável ao afastamento definitivo de Dilma  na Comissão Especial do Impeachment, Falcão afirmou que, pela composição da comissão no Senado, o resultado da votação desta quinta-feira "era perfeitamente previsível".

Falcão, no entanto, disse que o PT continua se mobilizando para manter Dilma no cargo. "Nossa expectativa é de que, com as mobilizações à procura dos senadores e o desastre que vem sendo o governo Temer, com o cancelamento de direitos e o anúncio de cancelamentos próximos de novos direitos, nós vamos conseguir 27 ou 28 votos para reverter o impeachment", afirmou.

*Com informações do Estadão Conteúdo