Tamanho do texto

Integrantes de partidos que defendem presidente em comissão especial no Senado dizem que encontro de Temer com Renan visava a adiantar votação

O senador Humberto Costa (PT-PE) esbraveja contra aliados de Temer sobre aceleramento do processo na Casa
Pedro França/Agência Senado - 03.08.16
O senador Humberto Costa (PT-PE) esbraveja contra aliados de Temer sobre aceleramento do processo na Casa

Aliados de Dilma Rousseff acusaram o presidente em exercício Michel Temer de intervir para acelerar o processo de impeachment da petista durante sessão da comissão especial que discute a ação no Senado, nesta quarta-feira (3).

A sessão, realizada um dia depois da leitura do parecer final do relator Antonio Anastasia  (PSDB-MG) seria dedicada exclusivamente à discussão do texto, no qual é pedido para que Dilma enfrente o julgamento final do impeachment em plenário, mas ganhou novos contornos com a possível antecipação da ação. 

Líder da oposição, Lindbergh Farias (PT-RJ) afirmou que houve uma "intervenção indevida" de Temer no processo. De acordo com o petista, o peemedebista teria pressionado o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para adiantar a data de julgamento.

Na véspera, após almoço com Temer, Renan se posicionou publicamente a favor da antecipação do início do julgamento para o dia 26 de agosto, com a possibilidade de sessões ao longo dos fins de semana. Até então, o presidente do Senado defendia que os prazos fossem cumpridos em dias úteis.

Veja quem são os integrantes da Comissão Especial do Impeachment:

O principal articulador do governo Temer no Congresso, Romero Jucá (PMDB-RR), se manifestou mais de uma vez a favor de que o processo de impeachment se encerre ainda em agosto. De acordo com ele, o presidente em exercício gostaria de participar da reunião do G20, marcada para 4 e 5 de setembro na China, já como presidente efetivo.

LEIA TAMBÉM:  Lira quer julgamento de Dilma comece dia 25 e ocorra no fim de semana

Senadores da base de Temer também saíram em defesa do presidente em exercício na comissão afirmando que não houve qualquer interferência. Líder do PSDB na Casa, Cássio Cunha Lima (PB) acusou a oposição de tentar criar um "factoide" em torno da reunião do chefe do Executivo com Renan.

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) exibe manchete de jornal que fala sobre suposto acordo de Temer com Renan
Pedro França/Agência Senado - 03.08.16
A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) exibe manchete de jornal que fala sobre suposto acordo de Temer com Renan

O Supremo Tribunal Federal, que preside a última fase do processo de impeachment, divulgou nota no último fim de semana anunciando que a primeira data possível para o início do julgamento seria 29 de agosto. Após o posicionamento de Renan, senadores da oposição devem se reunir ainda na noite desta quarta-feira (3) com o ministro Ricardo Lewandowski para pedir que não haja antecipação.

Discussão

Após os debates sobre a possível interferência de Temer, os senadores do colegiado deram início à discussão sobre parecer de Anastasia. Cada parlamentar inscrito pode fazer colocações sobre o texto por até oito minutos e, em seguida, acusação e defesa têm 20 minutos cada para se manifestar.

LEIA MAIS:  Renan diz que "fará tudo" para concluir impeachment ainda neste mês

Está marcada para esta quinta-feira (4) a votação do relatório da Comissão Especial do Impeachment. Após isso, o texto segue para análise no plenário do Senado. Caso a maioria dos senadores aprove o parecer do tucano, haverá o julgamento final da presidente – que pode afastá-la definitivamente do cargo.   

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), uma das principais defensoras da presidente afastada no Senado Federal
Pedro França/Agência Senado - 03.08.16
A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), uma das principais defensoras da presidente afastada no Senado Federal


    Leia tudo sobre: impeachment