Tamanho do texto

Maioria dos ministros no Supremo Tribunal Federal decidiu pelo desmembramento de processo sobre contas na Suíça

Cunha e a mulher Cláudia: Janot pede que contas na Suíça sejam investigadas
DIDA SAMPAIO/AGÊNCIA ESTADO - 19.8.15
Cunha e a mulher Cláudia: Janot pede que contas na Suíça sejam investigadas

O Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou nesta quarta-feira (22) recurso para retirar do juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, a competência para julgar a mulher e a filha do presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O julgamento ocorreu durante a sessão que julga abertura de ação penal contra o parlamentar.

A defesa dos parentes de Cunha alegou que, apesar de não terem foro por prerrogativa de função no STF, Cláudia Cruz e Danielle Cunha, mulher e filha do deputado, respectivamente, devem responder às acusações na Corte, devido à ligação dos fatos.

A questão está vinculada com a denúncia contra Cunha julgada nesta quarta-feira pela Corte. De acordo com a denúncia, Cláudia Cruz e Danielle Cunha são citadas como beneficiárias das contas atribuídas ao deputado na Suíça.

No dia 15 de março, o ministro Teori Zavascki atendeu a um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) e desmembrou a investigação, deixando somente a parte do inquérito referente ao presidente da Câmara no Supremo.

No dia 9 de junho, Moro recebeu denúncia apresentada pela força-tarefa de procuradores da Operação Lava Jato contra Cláudia Cruz e outros investigados que viraram réus.

De pedra a vidraça: A saga de Eduardo Cunha


    Leia tudo sobre: Eduardo Cunha