Tamanho do texto

Em entrevista, presidente interino afirmou que tem prestígio suficiente para "jamais precisar pedir nada" ao empresário

O nome de Michel Temer aparece nas delações do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado
Dida Sampaio/Estadão Conteúdo - 20.06.2016
O nome de Michel Temer aparece nas delações do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado


O presidente em exercício Michel Temer disse que não processará o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, que o acusou de ter pedido recursos oriundos de propina para o então candidato do PMDB à Prefeitura de São Paulo, Gabriel Chalita, em 2012.

A decisão, disse Temer, deve-se ao fato de o presidente interino não “falar para baixo”. Ele afirmou que Machado quer ganhar importância ao confrontar o presidente da República e disse que, com o prestígio que tem, não precisaria recorrer ao ex-executivo para obter ajuda de empresários.

"Você acha que eu ia me servir dele, tendo, com toda modéstia, o prestígio que tenho, no cenário nacional, para falar com empresário? Os empresários falavam e falam comigo permanentemente. Jamais pedi nada a ele", disse Temer, em entrevista.

"Não vou processá-lo porque o que ele mais deseja é isso. Quando verifiquei a delação completa, ele não falou apenas de mim, falou dos partidos mais variados. Ele só respondeu ao meu pronunciamento. Ele quer polarizar com o presidente da República não vou dar esse valor a ele, não falo para baixo."

O presidente em exercício disse ainda esperar que nenhum outro ministro tenha de deixar o governo, depois da saída de Romero Jucá do Planejamento e Henrique Eduardo Alves do Turismo, envolvidos nas investigações da Operação Lava Jato.

Temer aproveitou para criticar a proposta da presidente afastada Dilma Rousseff de, se voltar para o governo, realizar um plebiscito para realização de novas eleições. "A leitura que se faz é que, se ela vai voltar para convocar eleições, é porque não quer governar", disse.

O presidente interino voltou a afirmar que não disputará a reeleição, caso o Senado aprovar definitivamente o impeachment da petista. "Deus me colocou isso no colo para eu cumprir uma tarefa. Vou cumprir essa tarefa redimindo milhões de brasileiros, quase 12 milhões de desempregados. Se, ao final do período, houver 500 mil desempregados, terá sido um trabalho fantástico”.