Tamanho do texto

Aloysio Nunes (PSDB-SP) justificou saída da comissão que julga Dilma Rousseff devido ao acúmulo de funções como senador

O senador Aloysio Nunes discute durante reunião da comissão especial, na semana passada
TV Senado/Reprodução - 02.06.16
O senador Aloysio Nunes discute durante reunião da comissão especial, na semana passada

Líder do governo no Senado, Aloysio Nunes (PSDB-SP) não vai mais participar da comissão do impeachment, que iniciou os depoimentos das testemunhas de acusação, nesta quarta-feira (8). Ele justificou sua saída do colegiado alegando "acúmulo de funções".

Antes de deixar a comissão, Nunes apresentou um recurso ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, pedindo que fosse reduzido de 32 para 16 o número de testemunhas da defesa da presidente afastada Dilma Rousseff. O recurso foi negado pouco antes do anúncio da saída do tucano da comissão, ainda na terça-feira (7).

Nunes será substituído pelo colega de partido Ricardo Ferraço (PSDB-ES), que era suplente do PSDB na comissão. Apesar de não ser membro titular, o senador tucano participou ativamente da primeira fase da comissão, em abril. Para a vaga da suplência, o partido indicou Ataídes de Oliveira (PSDB-TO).

Veja os integrantes da comissão do impeachment do Senado: