Tamanho do texto

Presidente do Conselho afirmou que tem até segunda-feira (6) para definir se aceita ou não pedido contra ministro exonerado

Como é de costume, o presidente do Conselho enviou a matéria para a advocacia do Senado
Pedro França/Agência Senado
Como é de costume, o presidente do Conselho enviou a matéria para a advocacia do Senado

O presidente do Conselho de Ética do Senado, João Alberto Souza (PMDB-MA), recebeu em mãos nessa terça-feira (31) o pedido de cassação do senador Romero Jucá (PMDB-RR). Ele informou ao jornal "O Estado de S. Paulo" que tem até segunda-feira da próxima semana, dia 6 de junho, para decidir se acolhe ou rejeita o pedido.

Como de costume, e como foi feito no processo do ex-senador Delcídio Amaral, João Alberto enviou nesta terça-feira  a matéria para a advocacia do Senado, a quem pediu um parecer prévio. De acordo com o senador, ele tem até cinco dias úteis para tomar uma decisão.

Segundo o Código de Ética do Senado, representações contra senadores precisam ser avaliadas inicialmente pelo presidente da comissão, que tem a prerrogativa de aceitar ou rejeitar o pedido. Caso seja aceito, inicia-se um processo no Conselho de Ética com o sorteio de um relator. Caso seja rejeitado, cabe recurso ao plenário do colegiado.

A representação contra o Romero Jucá foi feita pelo PDT na semana passada, protocolada pelo senador Telmário Mota (PDT-RR), rival local do peemedebista. O argumento é a quebra de decoro com a revelação de diálogos entre Jucá e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado em que o peemedebista defende que é necessário "trocar o governo" para "estancar a Lava Jato".

Jucá é um dos principais articuladores do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff e considerado o homem forte do presidente em exercício Michel Temer. Após a divulgação dos diálogos, que iniciou a primeira crise do novo governo, Jucá foi exonerado do cargo de ministro do Planejamento.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.