Tamanho do texto

Presidente do Senado foi flagrado em gravação com Sérgio Machado defendendo mudanças na lei de delação premiada

Estadão Conteúdo

Na gravação, Renan Calheiros diz que Aécio Neves pediu a ele ajuda para descobrir outras citações
Dida Sampaio/Estadão Conteúdo - 27.4.16
Na gravação, Renan Calheiros diz que Aécio Neves pediu a ele ajuda para descobrir outras citações


Presidente do Senado Federal, Renan Calheiros (PMDB-AL) publicou nesta quarta-feira (25) uma nota na qual comenta a gravação da sua conversa com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo. O peemedebista diz que o teor da conversa gravada é "público" e reflete o que ele já havia declarado em entrevistas anteriores. Ele também pede desculpas a Aécio Neves, citado no áudio.

Segundo o texto, as opiniões contidas no áudio "foram publicamente noticiadas", inclusive as críticas feitas contra o presidente afastado da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e a proposta de alterar a lei que rege o instrumento das delações premiadas "para agravar as penas de delações não confirmadas". 

A assessoria de imprensa diz que Renan recebe todos aqueles que o procuram para conversar e que defende nos diálogos seus pontos de vista, todos "dentro da Lei e da Constituição".

Ao pedir desculpas ao presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), Renan alegou ter se expressado "inadequadamente" ao dizer, no diálogo revelado, que todos os políticos – e particularmente o tucano – estariam "com medo" da Operação Lava Jato. Na conversa, o peemedebista afirma que o tucano teria pedido a ele para verificar se havia mais alguma informação na delação do ex-senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS) que o envolvesse. Na nota, no entanto, ressaltou que o mineiro expressava "indignação, não medo" em relação ao ex-petista.

O senador do PMDB conclui a nota enfatizando que o teor da conversa com Machado não sugere qualquer intervenção na Lava Jato, "e não seria o caso, porque nada vai interferir nas investigações". Por outro lado, Renan não fez nenhum comentário sobre as partes do áudio gravado nas quais se refere à presidente da República afastada, Dilma Rousseff.

Veja mais sobre a Operação Lava Jato, que apura desvios na Petrobras: