Tamanho do texto

Avaliação do comando do partido é de que a declaração do ministro na gravação será benéfica para a presidente afastada

Seguindo a estratégia de
Roberto Stuckert Filho/PR - 05.05.2016
Seguindo a estratégia de "pronta resposta", Dilma pediu a Ricardo Berzoini que gravasse vídeo

O comando do PT e ex-ministros da gestão Dilma Rousseff avaliam que a primeira grande crise do governo de Michel Temer - com a revelação de um diálogo no qual o titular do Planejamento, Romero Jucá, fala na necessidade de "estancar a sangria da Operação Lava Jato" - será benéfica para a presidente afastada.

Ex-ministros argumentam que as afirmações feitas por Jucá, em diálogo com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, demonstram claramente que o governo Dilma "nada fez para frear" a Lava Jato, ao contrário do que disse o ex-líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (ex-PT-MS), que teve o mandato cassado. Dilma fará um discurso com este tom, insistindo na tese do golpe ao participar, na noite desta segunda-feira, 23, do congresso da Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Agricultura Familiar (Fetraf), entidade filiada à Central Única dos Trabalhadores (CUT), no Parque da Cidade, em Brasília.

Desde cedo, a presidente afastada está reunida com auxiliares, no Palácio da Alvorada, conhecido como quartel-general da resistência. Seguindo a estratégia da "pronta resposta", Dilma pediu ao ex-ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, para gravar um vídeo, que foi postado na página dela no Facebook dando o tom da reação petista. As conversas entre Jucá e Machado foram reveladas pelo jornal "Folha de S. Paulo".

Berzoini disse que estava ali para "exigir" a demissão de Jucá e a "investigação da relação de Temer com esse diálogo". Embora até mesmo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva considere difícil Dilma retornar ao Palácio do Planalto, após o julgamento final no Senado - previsto para ocorrer entre agosto e setembro -, os problemas no início da gestão Temer animaram o PT. Sob comando de Lula, uma ofensiva será reforçada para tentar reverter seis votos de senadores que votaram a favor do impeachment.

    Leia tudo sobre: Impeachment