Tamanho do texto

Wladimir Costa pediu a cassação do mandato do deputado federal Júlio Delgado e disse não haver provas de que presidente afastado teve investimentos ilegais no exterior

Wladimir Costa (SD-PA) acusou colega de ter recebido dinheiro ilegal em campanha eleitoral
Wladimir Costa/Divulgação
Wladimir Costa (SD-PA) acusou colega de ter recebido dinheiro ilegal em campanha eleitoral

O parlamentar Wladimir Costa (SD-PA) polarizou as atenções durante a sessão do Conselho de Ética que escuta nesta quinta-feira (19) a defesa do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Costa acusou o colega Júlio Delgado (PSB-MG), também do Conselho, de ter recebido dinheiro ilegalmente para a sua campanha eleitoral.

Durante a fala, Costa afirmou que "não há provas" de que Cunha seria beneficiário de investimentos fora do Brasil e disse que, antes de cassar o presidente afastado, seria necessário tirar o mandato de Delgado, acusado de ter recebido dinheiro ilegal na campanha de 2014.

"Tem filmagem em que o colega diz que não recebeu [propina] e o dinheiro está lá. Dinheiro supostamente roubado, de propina, de safadeza desses vagabundos da Lava Jato", afirmou. "O senhor bombardeia todo mundo falando que mentiu e o senhor é o maior mentiroso, que negócio é esse?", questionou.

Sua fala gerou bate-boca entre os dois deputados. Irritado, Delgado respondeu aos gritos. "Quem é o senhor para determinar isso? É um absurdo ter que ouvir isso", vociferou, ao que Costa o mandou "calar a boca". A partir de então, o presidente do Conselho, José Carlos Araújo (PR-BA), cortou os microfones e pediu ordem para prosseguir a sessão.

Pedido na Justiça

Nesta quarta-feira (18), o Solidariedade, partido de Wladimir Costa, entrou com uma representação na Câmara dos Deputados contra Júlio Delgado por quebra de decoro parlamentar. Segundo o documento apresentado, ele teria recebido pagamento de R$ 100 mil reais da UTC Engenharia na prestação de contas eleitorais do deputado em 2014. Se a representação for aceita, Delgado corre o risco de perder sua vaga como deputado titular. Ele também foi denunciado na Operação Lava Jato por participar do esquema de corrupção na Petrobras.

    Leia tudo sobre: Eduardo Cunha