Tamanho do texto

Defensor da presidente, advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, entrou com mandado de segurança na Corte alegando que ação foi aberta por motivo de vingança

Estadão Conteúdo

Interlocutores de Teori Zavascki afirmaram que ele deve emitir o seu parecer por volta das 10 h
Agência Brasil
Interlocutores de Teori Zavascki afirmaram que ele deve emitir o seu parecer por volta das 10 h

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, negou pedido da defesa de Dilma Rousseff para anular o processo de impeachment contra a presidente, em decisão anunciada na manhã desta quarta-feira (11), no momento em que o Senado Federal realizava sessão que vota o afastamento da petista.   

Com a decisão, a votação que deve culminar na abertura do julgamento contra a presidente segue normalmente, podendo ser definida nas próximas horas.

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, responsável pela defesa da presidente na ação, entrou com mandado de segurança na Corte pedindo a anulação do processo devido ao fato de ele ter sido acatado pelo então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), tendo como motivação uma vingança contra o governo federal. 

De acordo com Cardozo, Cunha cometeu "desvio de finalidade" ao aceitar o pedido de abertura do impeachment em dezembro do ano passado. O mandado de segurança foi enviado ao Supremo na terça-feira (10).

A decisão era a última cartada do governo federal para evitar que a presidente Dilma seja afastada do cargo ainda nesta semana. Se a maioria simples do Senado concordar com a admissibilidade do processo, ela já deixa o Planalto por 180 dias, com Michel Temer assumindo a Presidência interinamente. 

Veja fotos da sessão que vota o impeachment de Dilma Rousseff: