Tamanho do texto

Se todos os senadores subirem até a tribuna por 15 minutos, sessão deve terminar apenas por volta das 5h de quinta-feira

Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa extraordinária
Geraldo Magela/Agência Senado - 11.05.2016
Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa extraordinária

Após atraso de 2h20 para início dos discursos na manhã desta quarta-feira, senadores do PMDB estudam abrir mão dos 15 minutos a que teriam direito para falar na tribuna e defender o impeachment da presidente Dilma Rousseff. A ideia tomou corpo durante o intervalo da sessão que julga a admissibilidade do processo de impeachment no Senado com a intenção de agilizar a votação. A informação é do canal GloboNews.

A decisão estaria sendo tomada para adiantar o processo e finalizar a votação ainda nesta quarta-feira. Até agora, apenas cinco dos 68 parlamentares inscritos para falar discursaram na tribuna até agora. Todos usaram o tempo completo a que tinham direito.

Caso a tendência se confirme, serão cerca de 17 horas apenas de discursos – está ainda previsto um intervalo de uma hora à noite. Como os discursos começaram às 11h20, nesse ritmo a sessão terminaria por volta das 5h.

Como o PMDB tem 16 senadores aptos a discursar - o presidente da Casa, Renan Calheiros, já afirmou que não votará, e Marta Suplicy já foi ao palanque -, caso o partido opte por não subir até a tribuna o processo seria adiantado em quatro horas.

    Leia tudo sobre: Impeachment