Tamanho do texto

Além do deputado Marco Maia, a PGR também pediu ao STF para abrir investigações contra Aécio Neves e Vital do Rêgo

Estadão Conteúdo

Citado em delação premiada de Delcídio Amaral, o deputado Marco Maia nega todas as acusações
Facebook/Reprodução
Citado em delação premiada de Delcídio Amaral, o deputado Marco Maia nega todas as acusações


Possível alvo de investigações por parte da Procuradoria-Geral da República (PGR), o deputado federal Marco Maia (PT-RS) declarou, em nota, que se for aberto um inquérito contra ele, servirá para provar que ele é "vítima de uma mentira". O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido para investigar Maia, assim como o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o ministro Vital do Rêgo, do Tribunal de Contas da União (TCU).

"A investigação vai mostrar que eu sou vítima de uma mentira deslavada e descabida com o único intuito de desgastar a minha imagem e a do Partido dos Trabalhadores, do qual faço parte. Refuto com indignação as ilações ditas à luz de acordos de delação", destacou Maia. No mesmo posicionamento, o deputado disse "entender" a posição do Ministério Público (MP), depois que o nome dele foi citado em delação do senador Delcídio Amaral.

Em depoimento, Delcídio afirmou que Vital do Rêgo e Marco Maia, respectivamente presidente e relator da CPI Mista da Petrobras realizada em 2014, teriam tentado extorquir empreiteiras envolvidas na Lava Jato para não implicá-las na Comissão.

"Fui relator de uma CPMI em 2014, na qual pedi o indiciamento daqueles que me acusam, o que foi aprovado pela comissão. Foram 53 indiciamentos e mais o pedido de investigação de 20 empresas ao Cade, pela prática de crime de Cartel", relembra Maia, em nota. "Utilizarei de todas as medidas legais para que a verdade seja estabelecida e para que os possíveis desgastes a minha imagem de parlamentar sejam reparados na sua integralidade", complementa.

O deputado faz questão de destacar, ainda, que não recebeu doação para sua campanha eleitoral em 2014 de qualquer empresa alvo de investigação pela CPI da Petrobras.