Tamanho do texto

No total, 11 executivos da segunda maior empreiteira do Brasil participam da colaboração em que relatam ter realizado pagamentos diretos à empresa que fez campanha de Dilma

Estadão Conteúdo

O ministro do Supremo Tribunal Federa Teori Zavascki: delações que complicam Dilma ainda mais
Nelson Jr./SCO/STF - 23.02.16
O ministro do Supremo Tribunal Federa Teori Zavascki: delações que complicam Dilma ainda mais

Relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Teori Zavascki homologou a delação premiada dos executivos da Andrade Gutierrez, segundo fontes com acesso às investigações, nesta quinta-feira (7). Entre os depoimentos aprovados para serem inseridos no processo estão as colaborações do ex-presidente da empresa Otávio Azevedo e do ex-executivo Flávio Barra.

No total, 11 executivos da empreiteira, a segunda maior do Brasil, participaram de depoimentos em colaboração com a Justiça, de acordo com fontes com acesso ao caso. Os nomes de funcionários da empresa foram apontados pelo próprio ex-presidente Otávio Azevedo.

Nos depoimentos, os executivos relataram que a companhia realizou pagamentos diretos à empresa contratada pela campanha da presidente Dilma Rousseff em 2010. Azevedo ainda contou que sua empresa participou de esquemas em outras obras, além da Petrobras, como estádios da Copa do Mundo e outras relacionadas à Usina de Belo Monte.

Segundo reportagens da revista "Veja" e do jornal "Folha de S. Paulo", os delatores também afirmaram que recursos de propina abasteceram a campanha à reeleição da petista em 2014. Eles teriam entregue planilhas e informações no curso da delação para comprovar as afirmações.

Presidente Dilma Rousseff durante lançamento do Programa Hora do Enem
Roberto Stuckert Filho/ PR - 05.04.16
Presidente Dilma Rousseff durante lançamento do Programa Hora do Enem

De acordo com o jornal, Azevedo fez uma planilha com os valores de doação e apontou R$ 15,7 milhões para a campanha presidencial de 2010 e R$ 34,68 milhões para a de 2014. Os recursos foram registrados como doações legais, mas, segundo o executivo, R$ 10 milhões das doações da última campanha têm origem em superfaturamento de contratos em três obras: Complexo Petroquímico do Rio (Comperj), Angra 3 e a hidrelétrica de Belo Monte.

O esquema delatado teria sido estruturado com a ajuda do ex-ministros Antônio Palocci, em 2010, e Erenice Guerra, em 2014. O PMDB também teria recebido doações legalmente registradas com dinheiro de propina. Já Flávio Barra confirmou os repasses de dinheiro em depoimento à Procuradoria-Geral da República. Azevedo e Barra chegaram a ser presos, mas estão soltos.

Antes de homologar as delações, um juiz auxiliar do ministro Teori Zavascki ouviu os executivos para confirmar a legalidade do acordo. A partir de agora, a Procuradoria-Geral da República pode solicitar abertura de inquéritos ou oferecer denúncias com base nos indícios apontados pelos delatores.

As informações relativas à campanha de 2014 também devem ser usadas nos processos que correm no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que pedem a cassação da chapa da presidente Dilma e do vice-presidente Michel Temer. 

Os advogados da empresa disseram que ainda não foram informados oficialmente sobre a homologação. Teori, por sua vez, afirmou que cumprirá a lei sobre o sigilo das delações premiadas.

"Em matéria de delação premiada, a lei estabelece que tudo tem de ser mantido em sigilo. Enquanto as partes não abrirem mão do sigilo, vou cumprir a lei", justificou o ministro.

Veja fotos dos protestos contra Lula e Dilma Rousseff: