Tamanho do texto

Em nota oficial, Miguel Rosseto defende o ex-presidente Lula após condução coercitiva na manhã desta sexta

Miguel Rosseto defendeu ex-presidente após início da nova fase da Operação Lava Jato
Agência Brasil
Miguel Rosseto defendeu ex-presidente após início da nova fase da Operação Lava Jato

O ministro do Trabalho e Previdência Social Miguel Rossetto declarou-se “perplexo e indignado” com a condução coercitiva do ex-presidente Lula na manhã desta sexta-feira. “O presidente Lula já prestou depoimento e sempre se colocou à disposição das autoridades. Isso não é justiça, isso é uma violência. Rossetto disse ainda que a ação é um claro ataque ao que Lula representa, como uma liderança política e social”.

A palavra do ministro acontece na manhã desta sexta-feira (4) depois do inicia da 24ª fase da Operação Lava Jato deflagrada pela Polícia Federal, que cumpre mandados nos endereços do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do seu filho, Fabio Luiz Lula da Silva. O Instituto Lula confirmou que há agentes também em sua sede no Ipiranga, no sudeste da capital paulista.

A Operação foi batizada de Aletheia em referência a expressão grega que significa busca da verdade. Cerca de 200 policiais estão nas ruas e 30 auditores da Receita para cumprir 44 ordens judiciais, entre elas 33 mandados de busca e apreensão e 11 de condução coercitiva em São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia.



Operação Lava Jato - Lula



    Leia tudo sobre: Lula