Tamanho do texto

Computador foi quebrado em diretório do partido na zona leste; militantes de pré-candidatos trocam acusações

Pré-candidato do PSDB João Doria Jr. é apoiado pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin
NELSON ANTOINE/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO - 28.2.16
Pré-candidato do PSDB João Doria Jr. é apoiado pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin

O processo de prévias que definirá o candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo já registrou casos de agressão e até mesmo de invasão a um dos locais de votação, o que resultou em uma urna quebrada.

O diretório zonal do Tatuapé foi invadido por um grupo de pessoas não identificadas que quebrou um computador onde estava sendo feita a votação. Houve confusão generalizada e a Polícia Militar foi acionada. A votação foi encerrada antes da hora naquele local e a urna com os votos de papel teve que ser retirada sob escolta de soldados da Polícia Civil.

"A confusão começou quando coloquei em ata que estavam fazendo um churrasco e bebendo cerveja dentro do local da votação. Começou então a confusão e um grupo de pessoas ameaçou me arrebentar. De repente, três menores [ sic ] entraram junto com um militante do partido e quebraram o computador", disse a presidente do diretório do Tatuapé, Vânia Alves, que apoia o deputado Ricardo Tripoli, um dos pré-candidatos que concorre nas prévias.

Já Maria de Lurdes Silva, militante histórica do PSDB no Tatuapé e apoiadora de João Dória, acusa o grupo do deputado Ricardo Tripoli de ter começado a confusão. "Foi o grupo dele que invadiu aqui", afirmou ela.

Também houve registros de confusão em outros locais onde ocorrem as prévias tucanas.

A votação das prévias do PSDB foi encerrada às 16h da tarde e a previsão é de que o resultado saia até as 18h. A disputa interna levou o partido a um clima de acirramento inédito na história da legenda na capital de São Paulo. Disputam a vaga de candidato à prefeitura, além de Tripoli, o empresário João Dória e o vereador Andrea Matarazzo.

Enquanto Doria é apoiado pelo governador Geraldo Alckmin, Matarazzo conta com o aval do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e dos senadores José Serra e Aloysio Nunes Ferreira. Tripoli, por sua vez, conta com a retaguarda do deputado Bruno Covas e do ex-deputado José Anibal. Caso nenhum dos três consiga maioria simples no pleito deste domingo, haverá segundo turno no dia 20 de março.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.