Tamanho do texto

O esquema foi denunciado pelo ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa em delação premiada

A operação deflagrada nesta terça-feira (15) pela Polícia Federal tem como objetivo evitar a obstrução de provas no inquérito que investiga desvios nos contratos de aluguel de navios-­sonda pela Petrobras.  

Além das buscas na Câmara, nas residências do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e de outros políticos do PMDB, a PF tem como alvo o ex-­presidente da Transpetro Sérgio Machado, afilhado do presidente do Senado, Renan Calheiros, e Fábio Cleto, ex-­dirigente da Caixa Econômica Federal, exonerado na semana passada, indicado ao governo por Cunha.

A Polícia Federal está na residência oficial do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, no Lago Sul em Brasília, para cumprir mandados de busca e apreensão
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 15.12.15
A Polícia Federal está na residência oficial do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, no Lago Sul em Brasília, para cumprir mandados de busca e apreensão

 A PF ainda realizou buscas em um dos escritórios da Estre Ambiental, em São Paulo, além da casa do proprietário da empresa, Wilson Quintela. A empresa, especializada em coleta e tratamento de resíduos em plataformas de Petróleo, de acordo com a PF, teria faturado cerca de R$ 700 milhões em contratos com a estatal entre 2011 e 2014.

Os 53 mandatos de busca e apreensão foram autorizados pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, relator do processo da Lava Jato e tem como alvo políticos com mandato, ou seja, com foro privilegiado. Os agentes cumprem mandados em São Paulo, Rio, Pará, Ceará, Alagoas e Rio Grande do Norte.

As denúncias derivam da delação premiada feita pelo ex-­diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, que admitiu receber um percentual sobre os contratos firmados pela Transpetro.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.