Tamanho do texto

Grupo da Polícia Federal se especializou em periciar as obras de arte; mais de 270 obras apreendidas estão em museu no PR

Montar o quebra-cabeça da operação Lava Jato tem sido mais do que conectar redes de doleiros, confrontar delações e decifrar a complexa engenharia financeira de contratos bilionários sob suspeita de superfaturamento. A maior investigação recente sobre corrupção no Brasil impôs um desafio diferente à Polícia Federal: desenvolver expertise em obras de arte.

Peritos Ivan Ferreira (à esq.) e Aldemar Maia Neto (dir.) inspecionam obra apreendida na Lava Jato e de autoria atribuída a Alberto da Veiga Guignard (1896-1962)
Marcio Pimenta Foto Series
Peritos Ivan Ferreira (à esq.) e Aldemar Maia Neto (dir.) inspecionam obra apreendida na Lava Jato e de autoria atribuída a Alberto da Veiga Guignard (1896-1962)

Um pequeno grupo de policiais federais de Curitiba foi buscar ajuda no meio acadêmico e aposta agora na parceria com dois centros nacionais de excelência em inteligência pericial de arte para tentar, finalmente, capacitar a instituição nessa tarefa. Isso envolve coisas tão específicas como definir a autoria de uma pintura a partir de um fragmento mais fino do que um fio de cabelo. Ou lidar com caríssimos microscópios a laser e aparelhos portáteis de raio-X e infravermelho.

"Não é a primeira vez que a Polícia Federal faz perícia em obras de arte, mas nunca houve um volume tão grande", diz o perito Fernando Comparsi, um dos três responsáveis pela análise de mais de 270 obras apreendidas em casas e escritórios de operadores do suposto esquema. O "museu da Lava Jato" é amplo – e rendeu uma exposição com 48 obras que ficou em cartaz de abril a outubro no Museu Oscar Niemeyer, de Curitiba, depositário das obras. Reúne trabalhos atribuídos a expoentes da arte brasileira como Guignard, Di Cavalcanti, Iberê Camargo e Alfredo Volpi, além de artistas do calibre de Salvador Dalí e Joan Miró.

Equipe da PF faz registro fotográfico de obra para verificação de autenticidade
Marcio Pimenta Foto Series
Equipe da PF faz registro fotográfico de obra para verificação de autenticidade

A PF nunca teve a estrutura e o conhecimento necessários para processar perícias de alta qualidade na velocidade necessária – algo que poucos países no mundo possuem, cabe ressaltar –, e agora espera que a Lava Jato possa deixar um legado nessa área de atuação. Para isso, Comparsi e outros dois peritos da PF em Curitiba recorreram a especialistas do Instituto de Química da USP e da Escola de Belas Artes da UFMG para verificar a autenticidade das obras.

Sem isso não é possível estimar a partilha e o total do dinheiro público desviado – que pode ir de R$ 6 bilhões, na conta da Petrobras, a mais de R$ 20 bilhões, pelas projeções recentes da PF.

Lavagem de dinheiro
O trabalho desse pequeno grupo se tornou indispensável após acusados de envolvimento em desvios na Petrobras terem assumido a compra e cessão de obras para lavar (camuflar a origem ilegal) dinheiro de propina. A prática é recorrente no Brasil há anos, dizem especialistas.

No caso mais notório, o lobista Milton Pascowitch, que passou a colaborar com a investigação em junho deste ano, disse ter comprado um quadro de Guignard numa galeria do Rio por US$ 380 mil a pedido do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, preso desde março.

A obra “Galeria”, de 2002, de Daniel Senise, é levada por técnicos do museu Oscar Niemeyer durante desmontagem da exposição. Obras ficarão em acervo técnico à espera de decisão judicial
Marcio Pimenta Foto Series
A obra “Galeria”, de 2002, de Daniel Senise, é levada por técnicos do museu Oscar Niemeyer durante desmontagem da exposição. Obras ficarão em acervo técnico à espera de decisão judicial

O "presente" seria uma forma de encobrir propina paga por contratos obtidos pela Engevix na estatal. Duque nega a acusação e a empreiteira diz se defender na Justiça.

Apenas de casa de Duque, ex-diretor da "cota" do PT no esquema de desvios, a PF apreendeu 131 obras de arte - havia até uma sala secreta com iluminação e passagem de ar independentes, que abrigava documentos e joias. A doleira Neuma Kodama e o suposto operador Zwi Skornicki também contribuíram com a lista, que cresce a cada fase da operação.

"Estamos buscando um trabalho mais objetivo possível, fugindo daquela análise que diz: 'Isso tem a cara desse artista'", afirma Comparsi. "O que é necessário à investigação é o valor da obra, para apuração de desvio de recursos. Mas para chegar ao valor precisamos saber se a obra é autêntica ou não."

É aí que entra o trabalho da professora Dalva de Faria, do Laboratório de Espectroscopia Molecular da USP. Os aparelhos da equipe de Dalva, que podem valer ao menos R$ 400 mil, usam técnica de alta resolução, baseada em radiação laser, para obter dados químicos e estruturais de pinturas e desenhos.

Com lente de aumento para identificar partes pigmentadas, os técnicos empregam agulhas ultrafinas para coletar os minúsculos fragmentos. Nos aparelhos, a luz refletida em áreas tão pequenas como 5 microns quadrados (o diâmetro de um fio de cabelo mede 50 a 100 microns) fornece uma espécie de impressão digital das obras.

"Tipo de material, efeito do tempo, tudo isso tem utilidade forense. Alguém pode até tentar imitar a química de uma obra, mas não consegue simular o efeito do tempo, por exemplo", afirma a professora, que colabora com a Polícia Civil de São Paulo e a própria PF há pelo menos dez anos - daí o convite atual.

Trabalho conjunto

Os peritos da Lava Jato tiveram reuniões com os especialistas da USP e da UFMG e estão em contato permanente com os técnicos, que produzem laudos sobre a "compatibilidade" das obras com os supostos autores.

Perito observa coleta de amostra de tinta de uma das obras apreendidas; objetivo é verificar autenticidade e valor de mercado
Marcio Pimenta Foto Series
Perito observa coleta de amostra de tinta de uma das obras apreendidas; objetivo é verificar autenticidade e valor de mercado

"O vermelho, por exemplo, se tem mercúrio, sei que é sulfeto de mercúrio. Se encontro chumbo num branco, sei que é branco de chumbo, pigmento usado até meados dos anos 1950 no Brasil. Depois passou a ser substituído pelo dióxido de titânio, que nunca vou encontrar em obra anterior à 1920, porque a substância só surgiu no mercado depois", explica Luiz Souza, coordenador do Laboratório de Ciências da Conservação (Lacicor) da UFMG.

O centro mineiro se tornou referência ao conciliar ferramentas tradicionais da história da arte com métodos físico-químicos avançados. Atuou, por exemplo, na verificação de autenticidade do único registro em pintura da família do imperador D. João 6º (1767-1826). A tela do francês Jean-Baptiste Debret estava perdida num antiquário em Portugal, e a autoria só foi confirmada pela identificação de pigmentos típicos dos séculos 18 e 19.

Até agora, a equipe da USP está na fase final da análise de desenhos atribuídos a Guignard apreendidos na Lava Jato, mas os resultados seguem em sigilo. Outros trabalhos mais simples já foram concluídos, como a perícia de obras de autores vivos - um quadro do carioca Sérgio Vidal foi avaliado em R$ 8 mil. Constatou-se ainda que um quadro de Miró apreendido com Renato Duque é uma gravura, reprodução em papel da pintura original.

Técnico do museu Oscar Niemeyer faz manutenção de obra de Antônio Dias.
Marcio Pimenta Foto Series
Técnico do museu Oscar Niemeyer faz manutenção de obra de Antônio Dias. "Sem título, 2011"

Autor do livro Lavagem de dinheiro por meio de obras de arte (editora Del Rey), o desembargador federal Fausto De Sanctis atuou em casos notórios de suspeitas de uso da arte para encobrir delitos, como o da coleção do ex-controlador do Banco Santos, Edemar Cid Ferreira, e o do traficante Juan Carlos Abadía.

Para ele, não há "vontade política real" no Brasil e no mundo de conter essa forma de disfarçar a origem de recursos ilegais. "No mercado de arte predominam o anonimato e a confidencialidade, e a facilidade de transporte de grandes valores", disse à BBC Brasil.

A legislação brasileira determina que lojas de arte comuniquem operações atípicas de compra, como transferências entre contas no exterior e pagamentos em espécie superiores a R$ 10 mil. Mas houve apenas 68 comunicações de 1999 a 2014, diz De Sanctis. "A lei não é ruim, mas tem sido pouco eficaz", conclui.

Contra o tempo
No caso da Lava Jato, onde a gigantesca operação já identificou fortes indícios de lavagem de dinheiro por meio de arte, os peritos enfrentam outro desafio: o tempo e a equipe reduzida.

"O objetivo é adquirir expertise na área e dar conta do trabalho, porque não fazemos só isso, fazemos 25 coisas ao mesmo tempo. O principal limitante agora é a disponibilidade de recursos humanos", afirma o perito Fernando Comparsi, que atua no caso com os colegas Aldemar Maia Neto e Ivan Ferreira Pinto.

Ele estima que a análise das quase 300 obras poderá levar até dois anos.

O futuro das obras, segundo Comparsi, dependerá do desdobramento de cada processo. Se um dono de obra for condenado, a Justiça decide o destino - que pode ser um museu e até leilão.

"Essa área (perícia de arte) ainda é incipiente na segurança pública em geral. Abraçamos a causa e acho que teremos um grande desenvolvimento. A PF vai adquirir nos próximos anos uma grande experiência em análise de obras de arte", disse o perito.

Pelo lado da academia, a parceria também é vista como oportunidade de produção e difusão de conhecimento. "O país está passando por uma situação tão triste do ponto de vista da moral e é muito legal tirar coisas boas do meio dessa lama", afirma Dalva, da USP.