Tamanho do texto

Políticos como Wyllys e Freixo, o ex-promotor responsável pela acusação no caso de Suzane von Richthofen e pessoas comuns confessam delitos em vídeos com a #euconfesso

#EuConfesso
Reprodução
#EuConfesso

Um movimento contra a redução na maioridade penal no Brasil está movimentando parlamentares, promotores de justiça e pessoas comuns em torno do tema. Criado pelo filósofo e escritor Renan Quinalha, a campanha  #Eu Confesso  convida os internautas a fazerem vídeo contando os delitos que praticaram antes dos 18 anos. Os deputados federal Jean Wyllys e o estadual Marcelo Freixo (ambos do Psol) e Roberto Tardelli (ex-promotor responsável pela acusação no caso de Suzane von Richthofen), contrários à ideia da lei em votação, deram seus depoimentos.

Já Wyllys contou que, quando era coroinha, descobriu o cofre de Santo Antônio, e pegou dinheiro e foram a uma lanchonete tomar suco e comer sonho. "Depois veio a culpa. Sim, o meu delito de infância foi o roubo." Em seu perfil no Facebook, Wyllys pergunta: "Qual de nós, quando pequenas e pequenos, não cometeu alguma infração que hoje seria enquadrada como crime?"

#EuConfesso contra a redução da maioridade penal

Tudo bem, Renan Quinalha! #EuConfesso que quando criança cometi um delito contra Santo Antônio. Qual de nós, quando pequenas e pequenos, não cometeu alguma infração que hoje seria enquadrada como crime? Excelente movimento contra a redução da maioridade penal! Não só apoio como desafio agora meu companheiro Marcelo Freixo, meu amigo Tico Santa Cruz e a talentosíssima Ellen Oléria a participarem da campanha EuConfesso.org. Digam aí: quais foram os seus delitos de infância?#ReducaoNaoESolucao #NaoaReducao #VouBarrarAReducao

Posted by Jean Wyllys on Quinta, 10 de setembro de 2015

Marcelo Freixo (Psol-RJ), deputado estadual e correligionário de Wyllys, fez um vídeo no qual conta, entre outros dois delitos, que quando era criança pegava ônibus sem pagar. Em vídeo, Freixo diz que ele e amigos desciam do ônibus sem passar pela catraca, pois fugiam quando a porta abria. “Não foram poucas vezes que um cobrador correu atrás da gente para cobrar as passagens.” Freixo conta que usava o “dinheiro contado da passagem” para comprar picolé.

#EuConfesso

Meu amigo Jean Wyllys me desafiou, então vamos lá! #EuConfesso que tive uma infância bastante levada na periferia de Niterói e já cometi os meus delitos, como roubar antena de TV para fazer zarabatana e brincar com meus amigos.O EuConfesso.org é uma campanha muito interessante e criativa contra a redução da maioridade penal, em que você desafia seus amigos a confessarem os seus delitos durante a infância que não os levaram à prisão. Quantos e quantos de nós cometemos algum tipo de delito previsto no Código Penal e não foram presos? Não é só o pobre que comete o crime, mas só o crime cometido pelo pobre que gera a privação de liberdade.E eu desafio meus amigos do Porta dos Fundos a falarem sério! João Vicente De Castro, Gregorio Duvivier e Antonio Tabet, o que vocês fizeram na infância?

Posted by Marcelo Freixo on Sexta, 11 de setembro de 2015

O ex-promotor e atual advogado criminalista Roberto Tardelli, responsável pela acusação no caso de Suzane von Richthofen, também aderiu a campanha. "Na minha adolescência, que se passou durante a ditadura militar, transgredir era um gesto até salutar. Eu ajudava a meninada, fazíamos e distribuíamos lança-perfume, de graça. Em Ribeirão Preto." Confirma abaixo o depoimento do promotor:

EU CONFESSO!!Nem imaginava que houve um dia em que fui lesivo ao interesse público.Desafio meus amigos e ídolos Luiz Roberto Cicogna Faggioni, Liza Livingston e Fabio Roberto D'Avila a se unirem a essa campanha que viralizou total!Beijos a todos, beijos a meu desafiante, Brenno Tardelli

Posted by Roberto Tardelli on Quarta, 2 de setembro de 2015




    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.