Tamanho do texto

Eduardo Cunha acusa o Planalto de ter se articulado com o procurador-geral da República para incriminá-lo na Lava Jato

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), anunciou seu rompimento político com o governo Dilma Rousseff: "Saiba que o presidente da Câmara a partir de hoje é oposição."

Eduardo Cunha acusa o Planalto de ter articulado com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para incriminá-lo na Operação Lava Jato. Nesta quinta (16), o ex-consultor da Toyo Setal Júlio Camargo relatou à Justiça Federal do Paraná que Cunha lhe pediu propina de US$ 5 milhões.  "Estou sendo sendo alvo de perseguição política."

O presidente da Câmara do Deputados, Eduardo Cunha, disse que Casa não vai aprovar repatriação de recursos no exterior
José Cruz/Agência Brasil
O presidente da Câmara do Deputados, Eduardo Cunha, disse que Casa não vai aprovar repatriação de recursos no exterior











O parlamentar disse que a delação de Camargo é “nula” por ter sido feita à Justiça de primeira instância e lembrou que, como parlamentar, tem foro privilegiado e só pode ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Cunha disse que seus advogados vão pedir a transferência do processo de investigação para o STF. "O juiz não poderia conduzir o processo daquela maneira. Vamos entrar com uma reclamação para que venha [o processo] para o Supremo e não fique nas mãos de um juiz que acha que é dono do país".

Próximos passos

A partir de agora, o objetivo é convencer o PMDB a abandonar o governo e entregar os ministérios. "Sou acima de tudo um agente político, vou pregar no meu partido que a gente vá para a oposição", disse o deputado. 

Leia também: “Faço olho no olho com quem quiser”, diz Eduardo Cunha

O parlamentar não poupou críticas ao governo Dilma. "Tem um bando de aloprados no Palácio", disse. Mas, questionado pelos repórteres, não citou nomes. "É muita gente, é um bando."

Segundo Cunha, o governo tem “ódio” dele e age para constranger o Legislativo. “O governo nunca me quis e não me quer como presidente da Câmara. O governo não me engole, tem um ódio contra mim.

Apesar do tom, Cunha voltou a dizer que o rompimento com o governo Dilma é pessoal e não afeta a relação institucional dele, como presidente da Câmara, com o Executivo.

Na TV:  Quatro motivos para prestar atenção ao pronunciamento de Cunha na TV

As declarações de Cunha foram feitas a poucas horas de pronunciamento em cadeia nacional de TV, previsto para 20h30 desta sexta e cujo conteúdo, diz ele, será a prestação de contas sobre o semestre da Câmara.

Políticos que estão na lista da Operação Lava Jato: