Tamanho do texto

Os recursos deverão ser aplicados na integração de bacias com o objetivo de dobrar o volume nos reservatórios

A presidente Dilma Rousseff e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, assinaram nesta quinta-feira (15), no Palácio do Planalto, um contrato de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para obras de infraestrutura hídrica em São Paulo.

O contrato do governo federal foi firmado com a Sabesp e prevê o financiamento de R$ 747,4 milhões para obras de religação das represas Jaguari à Bacia do Paraíba do Sul e Atibainha, à bacia do Sistema Cantareira.

Leia mais:

Governo de SP vai recorrer de multa em operação considerada irregular pela CVM

Vazão de retirada do Cantareira terá de ser reduzida a partir de setembro

Sistema Cantareira opera com 19,9 % da capacidade
Vagner Campos/A2 Fotografia - 15.5.15
Sistema Cantareira opera com 19,9 % da capacidade

A interligação permitirá a transposição de uma vazão média de 5,1 metros cúbicos por segundo e máxima de 8,5 metros cúbicos por segundo no sentido Jaguari-Atibainha, interligando a bacia do Rio Paraíba do Sul às bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí. No sentido inverso, Atibainha-Jaguari, a vazão máxima poderá ser de 12,2 metros cúbicos por segundo.

Veja também:

Cobrança extra na conta de água em São Paulo começa a ser discutida, diz Sabesp

As obras de integração, de acordo com o governo, vão integrar as bacias dos rios e dobrar a capacidade dos reservatórios.

“A crise hídrica na região é uma das piores já enfrentadas e que o financiamento vai viabilizar maior segurança hídrica para o estado”, disse Dilma, ao anunciar a parceria ao lado do governador. Ao final do anúncio, Alckmin propôs um brinde, com água, aceito imediatamente pela presidente. “Brindar com água é sempre bom”, disse Dilma ao tucano.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.