Tamanho do texto

Costa disse ainda que, entre 2006 e 2012, recebeu em média US$ 3 milhões a US$ 5 milhões por ano, em contas na Suíça

Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras em depoimento
Lúcio Bernardo Jr/ Câmara dos Deputados
Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras em depoimento

O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa confirmou nesta terça-feira (23) em depoimento à Polícia Federal que recebeu propina da petroquímica Braskem, para agilizar a venda de nafta pela estatal. Em depoimento complementar aos investigadores da Lava Jato, Costa disse que, entre 2006 e 2012, recebeu em média US$ 3 milhões a US$ 5 milhões por ano, em contas na Suíça.

O ex-diretor explicou que o dinheiro foi transferido para Bernardo Freiburghaus, um dos operadores financeiros que está foragido. O ex-diretor disse que participou de uma reunião na qual estava presente Alexandrino de Salles de Alencar, executivo da Odebrecht, controladora da Braskem, para tratar dos pagamentos. No depoimento, Costa disse que a compra da nafta era mais vantajosa por meio da Petrobras, devido ao alto custo do frete.

“Acerca de ter presenciado a pessoa de Alexandrino de Alencar tratando do assunto relativo ao pagamento de propinas, recordar-se de ter participado de uma reunião em um hotel de São Paulo em que estavam o declarante [Costa], Janene  [ex-líder do PP, falecido em 2010] e Alexandrino, sendo que nesta oportunidade foi tratado de forma clara o assunto relacionado ao pagamento de vantagens ilícitas em troca de benefícios à Braskem na compra de nafta da Petrobras, conforme valores anteriormente mencionados”, diz trecho do depoimento.

Leia também:

Diretor preso na Lava Jato pede afastamento da Odebrecht

Polícia Federal começa a ouvir presos na 14ª fase da Lava Jato

Ontem, Alexandrino de Salles pediu afastamento da empresa. Em carta enviada à diretoria da Odebrecht, Alencar disse que pretende se dedicar integralmente à sua defesa. Em documento enviado ao juiz federal Sérgio Moro, que determinou a prisão, a defesa de Alencar disse que não há motivo para que ele continue preso, porque prestou depoimento na Polícia Federal e não ocupa mais o cargo na empreiteira.

Em nota, a Braskem garantiu que todos os pagamentos envolvendo a Petrobras foram feitos dentro da legalidade. “Todos os pagamentos e contratos da Braskem com a Petrobras seguiram os preceitos legais e foram aprovados de acordo com as regras de governança da companhia. É importante ressaltar que, ao contrário de qualquer alegação de favorecimento da Braskem, os preços praticados pela Petrobras na venda de matérias-primas sempre estiveram atrelados às mais caras referências internacionais de todo o setor, prejudicando a competitividade da indústria petroquímica brasileira”, declarou a empresa. 

Veja também: Saiba quem são os políticos que estão na lista da Lava Jato


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.