Tamanho do texto

Mensagens de executivo da OAS interceptadas pela Polícia Federal mostram como o ex-presidente era tratado

Um documento da Polícia Federal mostra como o ex-presidente Lula era chamado por executivos investigados pela Operação Lava Jato. Em mensagens interceptadas pela Polícia Federal, o executivo da OAS Léo Pinheiro chama o Lula pelo apelido de "Brahma".

Leia mais:

Cardozo descarta preocupação de que investigações cheguem ao Planalto

Repercussão: Lava Jato visa a combater cultura de impunidade entre ricos

Lula disse aos aliados que acredita ser o próximo alvo do juiz Moro
Reprodução
Lula disse aos aliados que acredita ser o próximo alvo do juiz Moro

A investigação aponta que “Brahma” era uma referência ao ex-presidente ao cruzarem informações com a agenda do petista. Em uma gravação entre Leo Pinheiro e um executivo da OAS eles dizem que “Brahma poderia fazer uma palestra no dia 26/11″ sobre o tema Brasil/Chile. Na mesma data, a agenda de Lula apontava um evento no país.

Documento da Polícia Federal que cita o ex-presidente
Reprodução
Documento da Polícia Federal que cita o ex-presidente


Neste sábado, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria dito aos seus aliados que está na "mira" do juiz Sérgio Moro. Segundo a Folha de S. Paulo, Lula acredita que a prisão dos presidentes da Odebrecht e da Andrade Guiterrez, nessa sexta-feira, é uma demonstração de que ele será o próximo alvo da operação Lava Jato.

O ex-presidente também fez críticas ao atual governo pela inércia da presidente Dilma Rousseff para contenção dos danos causados pela investigação. Outra queixa de Lula é sobre a atuação do ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, que teria convencido a presidente a minimizar o impacto político da operação.

Políticos investigados na Operação Lava Jato


    Leia tudo sobre: lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.