Tamanho do texto

Porta-voz diz que diplomacia adotou protocolo usado em missões que não envolvem visitas de chefes de Estado

O Ministério das Relações Exteriores rebateu hoje (19) as alegações de que o embaixador brasileiro na Venezuela, Ruy Pereira, não tenha dado o apoio necessário à comitiva de senadores que tentou visitar líderes políticos que se opõem ao regime de Nicolás Maduro.

Segundo um porta-voz do Itamaraty, a diplomacia brasileira adotou o protocolo usado em missões que não envolvem visitas de chefes de Estado, fornecendo apoio logístico e encaminhando os pedidos às autoridades venezuelanas.

Leia mais:

Senado aprova ida de nova comissão à Venezuela

Incidente com senadores na Venezuela mina esforço do governo por ajuste fiscal

Senadores brasileiros são cercados por manifestantes em Caracas
Reprodução
Senadores brasileiros são cercados por manifestantes em Caracas

De acordo com o porta-voz, existe uma diferenciação entre uma visita de chefe de Estado e as demais missões externas. Ele reiterou que a embaixada brasileira em Caracas prestou todo o apoio devido.

Além de ter cedido o avião da Força Aérea Brasileira à comitiva de senadores, o Itamaraty pediu a autorização de sobrevoo e de pouso da aeronave na capital venezuelana e alugou a van para os senadores.

Os senadores, ressaltou o porta-voz, foram recebidos pelo embaixador no Aeroporto Internacional de Maiquetía, a 21 quilômetros do centro de Caracas. Ruy Pereira e um diplomata de ligação, que ficava conectado por telefone com os parlamentares, seguiram em um carro na frente da van.

De acordo com o Itamaraty, o fato de a van estar escoltada por batedores indica que o governo de Nicolás Maduro tinha autorizado o deslocamento da comitiva para a penitenciária de Ramo Verde.

Veja também:  Aliados e opositores de Dilma levam disputa ideológica à Venezuela

O Itamaraty, no entanto, esclareceu que o embaixador brasileiro e o diplomata de ligação seguiam na frente da van apenas porque havia uma única rota de saída do aeroporto. De acordo com o porta-voz, a agenda da visita, inclusive o encontro com esposas de presos políticos na porta do aeroporto, foi inteiramente fechada pela Comissão de Relações Exteriores do Senado, sem a intermediação do Ministério das Relações Exteriores.

Ao saber que os senadores não tinham conseguido ir à penitenciária, informou o porta-voz, o embaixador retornou ao aeroporto e despediu-se dos parlamentares. O protocolo diplomático estabelece a presença do embaixador no aeroporto tanto na chegada como na despedida.

Segundo o Itamaraty, havia a possibilidade de os parlamentares passarem na embaixada brasileira após a visita ao presídio, mas que os diplomatas não chegaram a saber se a comitiva tinha a intenção de visitar o embaixador ou de retornar diretamente ao aeroporto.

Conforme o Itamaraty, o engarrafamento que impediu o deslocamento da comitiva foi provocado pela transferência a Caracas, no momento da chegada dos senadores, de um cidadão venezuelano extraditado pelo governo colombiano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.