Tamanho do texto

Ao defender o ajuste fiscal, presidente disse que cortes de gastos não têm um fim em si mesmo, mas o objetivo de criar ambiente fiscal para retomada do crescimento da economia

Presidente Dilma Rousseff defendeu o ajuste fiscal no anúncio do Plano Safra 2015/2016
Roberto Stuckert Filho/ PR
Presidente Dilma Rousseff defendeu o ajuste fiscal no anúncio do Plano Safra 2015/2016

Ao anunciar nesta terça-feira (2) o Plano Safra 2015/2016, a presidente Dilma Rousseff defendeu o ajuste fiscal, cobrou a aprovação de medidas ligadas ao corte de gastos pelo Congresso Nacional e disse que o governo fez um “grande esforço” para ampliar em 20% os recursos para o agronegócio na comparação com a safra anterior. O setor terá R$ 187,7 bilhões para a safra 2015/2016, com taxas de juros de, em média, 8,5% ao ano.

“Garantimos condições de financiamento adequadas ao agronegócio, segmento que tem sido e continuará sendo prioridade no Brasil. Mesmo vivendo uma conjuntura de ajustes, fizemos um grande esforço e estamos ampliando em 20% os recursos de crédito para financiar a próxima safra”, disse em discurso durante a apresentação do plano.

“Os juros serão realinhados sem comprometer a capacidade de pagamento dos produtores e manteremos taxas diferenciadas para linhas de investimento prioritárias e para os médios produtores”, acrescentou.

Ao defender o ajuste fiscal, Dilma disse que os cortes de gastos não têm um fim em si mesmo, mas o objetivo de criar o ambiente fiscal para a retomada do crescimento da economia do País. “O ajuste fiscal é imprescindível para o Brasil voltar a crescer: por isso temos que encará-lo como algo estratégico e necessário. Ainda precisamos concluir a aprovação de alguns mecanismos pelos quais nós vamos assegurar uma economia fiscal mais estável”, avaliou.

Leia também:

Governo enfrenta apreensão na base em novo round do ajuste fiscal

Aprovação da MP do ajuste fiscal foi vitória da sociedade, diz Levy

Duas propostas do ajuste ainda dependem da aprovação do Congresso: a redução da desoneração da folha de pagamento de 56 setores e a elevação de tributos sobre o lucro dos bancos.

Dilma também listou os anúncios do novo programa de concessões, do novo plano de exportações, Plano Safra da Agricultura Familiar e da nova etapa do Minha Casa, Minha Vida –  que ocorrerão até julho – como estratégias para fomentar o crescimento econômico paralelamente ao ajuste fiscal.

A ministra da Agricultura, Kátia Abreu, disse que a ampliação de recursos para o agronegócio mostra que o ajuste fiscal não se faz somente com corte de gastos, mas com investimentos. “Alguns opositores imaginavam ou torciam para o que o crédito agrícola fosse diminuído. Nós demos uma surpresa agradável a todo o Brasil, mostrando que esse plano não é para os produtores rurais, é para todos os brasileiros, para o desenvolvimento do país”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.