Tamanho do texto

Julio Faerman, representante da empresa SBM Offshore no Brasil, está foragido desde março e foi convocado para depor

Agência Brasil

Comissão Externa de Investigações sobre a empreiteira SBM Offshore e a Petrobras
Lucio Bernardo Jr./ Câmara dos Deputados/Fotos Públicas
Comissão Externa de Investigações sobre a empreiteira SBM Offshore e a Petrobras

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras pediu nesta segunda-feira (20) à Polícia Federal e à Interpol a prisão preventiva do representante da empresa SBM Offshore no Brasil, Julio Faerman. O ofício foi encaminhado pelo presidente da CPI, Hugo Motta (PMDB-PB). Faerman, que já foi convocado para depor na comissão, encontra-se foragido desde março.

Motta justificou o pedido sob o argumento de que as investigações feitas apontam para a participação de Faerman no esquema de “desvio de verbas públicas” e pagamento de propina. A intenção da CPI é colher o depoimento do lobista sobre o pagamento de propina para a celebração de contratos da Petrobras com a SBM Offshore.

Os parlamentares também decidiram convocar para depor os filhos de Faerman, Marcelo e Eline, assim como o sócio do lobista, Luiz Eduardo Barbosa. O pedido foi feito pelo deputado Onix Lorenzoni (DEM-RS), antes da reunião que tomou o depoimento do presidente da Camargo Corrêa, Dalton Avancini, e do diretor da Galvão Engenharia Erton Medeiros Fonseca.

Leia mais:

Justiça bloqueia quase R$ 1 bilhão de empreiteiras investigadas na Lava Jato

CPI da Petrobas vai a Londres ouvir depoimento de ex-diretor da SBM Offshore

O pedido para a prisão de Faerman acontece após a CPI ter colhido o depoimento do ex-executivo do SBM Offshore Jonathan David Taylor, em Londres. Na avaliação dos parlamentares da comissão as declarações de Jonathan Taylor incriminaram ainda mais Faerman.

De acordo com Lorenzoni, o ex-executivo teria citado Marcelo e Luiz Eduardo como operadores do esquema. Já a filha de Faerman foi convocada por ser sua secretaria e estar a par da agenda do lobista.

Atualização

Pouco mais de uma hora após a CPI ter convocado os filhos de Faerman para falarem na comissão, o próprio Júlio Faerman, colocou-se à disposição do colegiado para depor. 

A informação foi repassada pelo deputado Onix Lorenzoni (DEM-RS), autor do requerimento que pediu a convocação dos filhos de Faerman, Marcelo e Eline, além do sócio do lobista, Luiz Eduardo Barbosa.

“Olhe só, senhor presidente [da CPI, Hugo Motta], para provar que a nossa decisão de convocar os filhos foi correta, às 17h01, o senhor Júlio Faerman mandou um documento dizendo que estará no Brasil em breve, mandou endereço e disse ter disponibilidade para estar aqui [na CPI]”, disse Lorenzoni.

Saiba quem são os políticos que estão na lista da Operação Lava Jato:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.