Tamanho do texto

Pedro Corrêa diz que teria R$ 25 milhões se depoimentos de delação premiada fossem verdadeiros: "Onde está o dinheiro?"; ele foi preso pelo mensalão e agora cumpre pena por petrolão

A exemplo do que fizeram os outros ex-parlamentares ouvidos na reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, o ex-deputado federal Pedro Corrêa optou por permanecer em silêncio diante das perguntas dos legisladores. Ele alegou ser melhor para sua atual situação usar o direito constitucional de permanecer calado.

O ex-deputado federal Pedro Corrêa: preso no mensalão, é acusado de envolvimento na Lava Jato
Agência Brasil
O ex-deputado federal Pedro Corrêa: preso no mensalão, é acusado de envolvimento na Lava Jato

"Faço isso pois já estou bi-preso. E não quero ficar tri-preso", explicou ele pouco depois de a mesma CPI ter ouvido os também ex-deputados Luiz Argôlo e André Vargas, transferidos com Vargas à carceragem da Polícia Federal em Curitiba, no mês passado. Corrêa foi um dos políticos presos no processo do mensalão e, antes da transferência devido à Lava Jato, já cumpria pena em regime fechado em Pernambuco. 

Leia mais:
Ex-deputado Pedro Corrêa é transferido para carceragem da PF em Curitiba

Na atual investigação sobre os desvios da Petrobras, o ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa acusou Corrêa de ter recebido propina de R$ 5,3 milhões. O ex-deputado, no entanto, rechaçou a hipótese.

“Se fosse verdade o conteúdo das delações premiadas do Paulo Roberto Costa e do Alberto Youssef eu teria algo entre R$ 21 e R$ 25 milhões. Então, inde está este dinheiro?”, disse Corrêa, quebrando o silêncio que prometera pouco antes, justificando que o esquema na Petrobras começou em 2006, ano em que não era mais deputado – cumpriu mandato até o final daquele ano. 

Corrêa, que afirmou ter conhecido Alberto Youssef por meio do ex-deputado José Janene, ainda disse que possui elementos para derrubar a delação premiada de Paulo Roberto Costa. No entanto, ao ser indagado se recebeu recursos do doleiro, optou pelo silêncio. 

Leia também:
Ex-deputados André Vargas e Luiz Argôlo são presos em nova fase da Lava Jato
"Fascistas estão preparando o golpe", afirma ex-deputado do PT

“Eu não tenho mandato desde 2006. Como é que podem dizer que eu continuei a receber dinheiro? Político sem mandato não tem influência, os senhores sabem disso”, concluiu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.